Política

Reinaldo admite disputa interna em evento marcado por torcidas organizadas

Secretários querem disputar Prefeitura pelo PSDB

Jessica Benitez Publicado em 31/03/2016, às 23h59

None
_mg_9800_interna.jpg

Secretários querem disputar Prefeitura pelo PSDB

O que era para ser evento de pontapé inicial à campanha tucana para Prefeitura de Campo Grande, acabou evidenciando disputa interna do PSDB para escolha do pré-candidato, como o próprio governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), admitiu durante discurso em ato de filiação na noite desta quinta-feira (31). Até 'torcidas organizadas' marcaram presença.

De um lado da Câmara Municipal havia o 'time' da vice-governadora Rose Modesto e do outro a torcida do secretário de Administração e Desburocratização, Carlos Alberto Assis. Quando o nome de um deles era dito o grupo correspondente fazia muito barulho, com direito a buzinas e bandeirinhas. O da ex-vereadora não deixava escapar nem mesmo os discursos alheios, sempre interrompidos com a frase “Rose prefeita”.

Para evitar discórdia nenhum dos nomes cogitados pôde discursar. A palavra ficou com os representantes da Câmara Municipal, Assembleia Legislativa e Câmara Federal, vereador João Rocha, deputado estadual Beto Pereira e deputado federal Elizeu Dionízio, respectivamente. O presidente regional e secretário de Estado de Fazenda, Márcio Monteiro, deu início ao evento destacando a importância da reflaxão diante do cenário político e econômico do Brasil.

Azambuja fechou as falas com essa mesma mensagem e depois de criticar a gestão do PT que, para ele, destruiu conquistas do governo de Fernando Henrique Cardoso, como plano Real, por exemplo, admitiu haver disputa interna pela pré-candidatura à Prefeitura da Capital. No entanto, mesmo com clima acirrado que pairava no local, tentou amenizar.

“A disputa interna faz parte. Quando fui prefeito de Maracaju tínhamos pelos menos cinco pré-candidatos e resolvemos da melhor forma. Temos que saber avaliar. Aqui em Campo Grande vamos usar a mesma sabedoria”, disse. Em seguida aproveitou para tecer críticas à gestão do chefe do Executivo, Alcides Bernal (PP), já criticada antes por João Rocha.

“Este é um momento difícil. É essa gestão que a população que ter? Em 2012 perdemos a eleição, mas deixamos nosso recado. Em 2014 percorremos os 79 municípios com o 'pensando MS'. Eleição não se faz sozinho, precisamos de luta e maturidade na escolha”, voltou a ponderar. “Mas não tenho dúvidas de que vamos vencer as eleições”, concluiu.

Antes de iniciar o evento o governador declarou à imprensa que os três pré-candidatos eram Rose, Assis e o secretário de Governo, Eduardo Riedel. Já ao microfone ele citou os três, porém acrescentou que também existem “outros bons nomes”. Isso porque novos filiados como os deputados estaduais Mara Caseiro e Beto Pereira não desistiram de tentar se viabilizarem como candidatos. Mesmo sem falas claras, todos se dizem à disposição do partido.

Ataque – No ato pouco mais de 1.600 pessoas se filiaram e, embora haja entrave interno acerca do nome que representará o PSDB nas urnas, ao ataques ao adversários já começaram. Rocha, que é presidente da Câmara Municipal, afirmou que a população “hoje é refém de uma voz aveludada e rouca de tanta incompetência administrativa”. Por isso, pediu que a militância se mobilize “para salvar a cidade”.

Jornal Midiamax