Política

Presidente nega pedidos de suspensão da sessão de impeachment por aliados de Dilma

 Senadores apresentaram palavras de ordem pedindo por decisão do STF

Midiamax Publicado em 11/05/2016, às 13h22

None
senado.jpg

 Senadores apresentaram palavras de ordem pedindo por decisão do STF

Em defesa da presidente Dilma Roussef, a senadora Gleisi Hoffman apresentou palavra de ordem logo no início da sessão desta quarta-feira (11) pedindo suspensão da votação do impeachment, até que o STF (Supremo Tribunal Federal) julgue mandado de segurança impetrado pela presidente no órgão superior. O pedido foi negado pelo presidente da Casa, Renan Calheiros.

Citando o professor Darci Ribeiro, a Senadora Gleisi Hoffman (PT/PR) se disse indignada com o processo e iniciou discurso à favor de Dilma Roussef. “ Subo neste tribunal contra um julgamento injusto, por vícios e nulidades. Indignação contra um julgamento seletivo, porque os pressupostos jurídicos que será utilizados hoje, para fazer o afastamento da presidenta, não serão usados para nenhum outro governante, morrerão qui, serão enterrados hoje”.

A senadora defende que o processo foi “criado exclusivamente para anular o resultado da última eleição, enfraquecer o voto popular, atingir o presidente Lula e a presidente Dilma”. Gleisi classificou o mandato de Dilma como um mandato “inclusivo” e acusou a elite do país de tentar chegar ao poder sem o voto.

Ainda segundo a senadora, os crimes citados contra a presidente Dilma, nunca foram considerados irregulares na questão orçamentária do Brasil. “A edição de seis decretos e o atraso atraso no pagamento de juros, as chamadas pedaladas, nunca foram julgadas em razão de nenhum governante e esses governantes nunca serão julgados pelos mesmos atos praticados, como acusam Dilma”.

“Falta à elite desse país, um projeto de nação, para elaborar um projeto que contemple e conquiste votos na urna e escolheram um atalho para chegar ao poder de forma indireta”. Gleisi disse ainda que falta aos líderes a paciência para respeitar o período eleitoral do Brasil e que querem arrancar do poder a primeira mulher eleita neste país.

Por fim, a senadora apresentou questão de ordem, pedindo a suspensão da votação do pedido de impeachment até decisão do Supremo Tribunal Federal sobre mandado de segurança impetrado pela presidente Dilma Roussef.

Cassio Cunha citou regimento interno, explicando que a questão de ordem apresentada por Gleisi contraria questão decidida anteriormente, pedindo ao presidente Renan Calheiros que ignore a questão de ordem da senadora, pedido este, que foi considerado pelo presidente.

Lindrbergh Farias (PT/RJ), apresentou palavra de ordem no mesmo sentido de Glesi, também não acatado pela presidência da Casa. Vanessa Grazziotin (PcdoB-AM) e Fátima Bezerra (PT-RN) também tiveram pedidos de suspensão da sessão negados por Calheiros.  

Jornal Midiamax