Política

Prefeito eleito quer volta do teto de 30% de suplementação em Campo Grande

Valor foi reduzido a 5% na gestão de Bernal

Evelin Cáceres Publicado em 16/11/2016, às 15h09

None
marquinhos_10.jpg

Valor foi reduzido a 5% na gestão de Bernal

Prefeito eleito, Marquinhos Trad (PSD) afirmou nesta quarta-feira (16) que um dos seus primeiros pedidos à Câmara de Campo Grande será o retono da suplementação com teto de até 30% no orçamento municipal.

Na prática, o prefeito não precisa de autorização do legislativo para remanejar o orçamento no limite de até 30%, uma garantia que seu irmão Nelsinho Trad teve até perto do fim do mandato. No início da gestão de Alcides Bernal (PP), o valor foi reduzido para 5%.

È época, Bernal disse que isso causou transtorno e prejuízo à cidade, causando lentidão na reformulação de projetos.

“Foi liberado para todos os prefeitos, por que não vai ser liberado para mim?”, questionou Marquinhos. Ao ser lembrado que Bernal não tinha os 30% de limite, o prefeito eleito limitou-se a comentar: “vou pedir para mim. Tiraram para ele, o Bernal”.

Alcides enfrentou muitos problemas com a Câmara por conta das suplementações. Uma das alegações que basearam a cassação foi, inclusive, de que o prefeito havia se utilizado do recurso sem a autorização necessária do legislativo. 

Marquinhos tem reunião nesta quarta com o Secovi (Sindicato da Habitação de Mato Grosso do Sul) para discutir o plano diretor da cidade, que neste ano completa 10 anos e precisa ser reformulado.

Na sexta, às 15h, há uma reunião pré-agendada com o governador Reinaldo Azambuja, a vice-governadora Rose Modesto, o secretário de Estado da Casa Civil Sérgio de Paula e os vereadores eleitos pelos tucanos. “Quero deixar claro que a eleição passou e que precisamos atuar juntos daqui para frente”, disse Marquinhos.

Jornal Midiamax