Política

Poucos políticos ‘aparecem’ no protesto em Campo Grande contra Dilma

Todos afirmam que foram como cidadãos

Jessica Benitez Publicado em 13/03/2016, às 20h34

None
img-20160313-wa0160.jpg

Todos afirmam que foram como cidadãos

Poucos políticos foram vistos no protesto deste domingo (13) em Campo Grande. Os vereadores Luíza Ribeiro (PPS), Eduardo Cury (PTdoB) e José Chadid (PSDB), além do deputado federal Elizeu Dionízio (PSDB) e estadual Paulo Corrêa (PR) estiveram nas ruas da Capital pedindo a saída da presidente da República, Dilma Rousseff (PT).

“Temos que fiscalizar, tem partidos que têm cargos e por isso se calam”, disse Elizeu que estava acompanhado pela família. “Meu partido é o Brasil, se quiserem prender o Aécio (Neves) é um favor que fazem”, avaliou Cury.

Embora a organização do evento tenha assegurado proibição do uso da palavra por políticos, a vereadora Luiza Ribeiro conseguiu dar uma 'escapadinha' e foi vista em um dos carros fazendo seu discurso.

No trajeto, deputado estadual Paulo Corrêa pontuou a organização do ato público. De acordo com ele, o fato de não haver registro de brigas ou desentendimentos é a prova de que o campo-grandense é um povo ordeiro. “Toda a caminha foi pacífica e tudo ocorreu dentro do esperado. É muito bom ver que o povo da nossa cidade é pacato”, relata.

Ordem foi a palavra que predominou na caminhada contra a corrupção e o governo Dilma em Campo Grande. O clima familiar permaneceu durante todo o trajeto de 2 quilômetros percorrido pelos participantes. Por todos os lados o que se via eram crianças, idosos e até animais de estimação acompanhando seus donos. O ponto de partida foi na Praça do Rádio Clube e se estendeu até os altos da Avenida Afonso Pena, principal via da Capital.

No trajeto, cartazes bem-humorados contrastavam com gritos de guerra de quem preferiu protestar sem levar a coisa para o lado mais descontraído. Além das críticas ao governo federal, muitos aproveitaram para fazer seu manifesto pessoal. Entre as reivindicações, teve quem criticasse órgãos públicos, a Câmara Municipal de Campo Grande e até a falta de políticas públicas para servidores.

Na manifestação desde o início da caminhada, o tucano José Chadid classificou o protesto desde domingo como um “sucesso”. Segundo o vereador, o recado da população foi dado. “Hoje foi o momento do povo mostrar sua insatisfação. Nosso País precisa de mudança urgente e somente assim é que vamos conseguir”, afirma.

Ao decorrer o presidente regional do PSDB e secretário de Estado de Fazenda, Márcio Monteiro, informou que grande parte dos tucanos acompanhariam o ato. Informações extraoficiais davam conta de que cada secretário do governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), levaria pelo menos 80 pessoas junto. Na sexta-feira os grupos que organizaram o ato na Capital entraram e conflito justamente por conta da participação de políticos.

Durante o percurso, integrantes do movimento 'Chega de Impostos' faziam a limpeza da Avenida, recolhendo garrafas, copos e papéis. No fim da manifestação a Avenida Afonso que, aos poucos era sendo liberada, estava limpa em toda a extensão por onde os manifestantes passaram.

*Matéria editada às 21h44 para acréscimo de informações 

Jornal Midiamax