Política

Oposicionistas do PMDB garantem que partido abandonará Dilma em 28 dias

Deputados receberam manifestantes no Congresso

Ludyney Moura Publicado em 16/03/2016, às 10h57

None
12805662_1122349477783318_8286090603484086239_n.jpg

Deputados receberam manifestantes no Congresso

As novas revelações feitas pelo senador Delcídio do Amaral (PT) que envolvem membros do alto escalão do Governo Federal, aumentaram as pressões pela saída da presidente Dilma Rousseff (PT). E o PMDB está de malas prontas para deixar a base aliada, é o que revela o peemedebista sul-mato-grossense Carlos Marun (PMDB).

“O PMDB vai deixar o governo Dilma em no máximo 28 dias”, garantiu o deputado federal a representantes de movimentos populares, durante um encontro que aconteceu no fim da tarde da terça-feira (15), nas dependências do Congresso Nacional.Oposicionistas do PMDB garantem que partido abandonará Dilma em 28 dias

O sul-mato-grossense lembrou aos manifestantes que no último final de semana, durante a Convenção Nacional do partido, não houve nenhuma manifestação favorável ao governo Dilma.

“A posição do PMDB vai ser pelo rompimento com o governo. É necessários pressão em cima dos deputados do PMDB, e a voz das ruas claro que balança todo mundo aqui dentro desta Casa (Congresso Nacional)”, pontuou Marun.

O deputado federal Mauro Lopes (PMDB-MG) chegou a anunciar que assumiria o ministério da aviação civil, mas por uma pressão do partido, que chegou a ameaçar expulsão, o mineiro retrocedeu.

Marun garantiu que pelo menos metade da bancada peemedebista na Câmara Federal já é favorável ao rompimento com o governo Dilma e entrega dos cargos que ocupa, a expectativa, segundo ele, é convencer a maioria até meados de Abril, quando o partido se reunirá novamente para definir seu futuro no Governo Federal. 

Jornal Midiamax