Política

“Não é oficial”, em cerimônia, Dilma é cautelosa sobre anulação do impeachment

Presidente focou em anúncio de novas universidades e institutos federais

Joaquim Padilha Publicado em 09/05/2016, às 14h51

None
dilma1.jpg

Presidente focou em anúncio de novas universidades e institutos federais

Em cerimônia no Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff (PT) fez anúncio de cinco novas universidades federais, além de 234 obras nos campus de 38 das instituições de ensino superior federais. A cerimônia contou com presença de diversos manifestantes em apoio a presidente que comemoraram a decisão do presidente interino da Câmara de anular o processo de impeachment. A presidente preferiu falar dos decretos antes de comentar a vitória. “Só um minutinho gente, depois a gente grita junto”.

“Essas cinco universidades completam um imenso esforço que fizemos para interiorizar universidades no nosso país”, disse a presidente. “Se não tem universidade no interior, o cidadão e a cidadã brasileira precisa ter recursos pra se deslocar para os grandes centros". Também foram inaugurados 41 campus de Institutos Federais em todo o Brasil.

Ao falar sobre a decisão de Waldir Maranhão sobre a anulação do impeachment, a presidente se disse cautelosa. "Eu soube agora, da mesma forma que vocês, apareceu nos celulares, que um recurso foi aceitado e que portanto o processo está suspenso".

A presidente chamou o processo de “golpe frio”, que seria um golpe que utiliza de armamentos legais para destituir uma “presidente legitimamente eleita”.

“Eu não tenho essa informação oficial. Estou falando que não podia fingir que não estava sabendo da mesma coisa que vocês. Não é oficial, não sei as consequências, tenham cautela, porque vivemos uma conjuntura de manhas e artimanhas”, afirmou Dilma. A presidente voltou a pedir que os manifestantes lutem contra o “golpe” e fechou a cerimônia afirmando que tem pela frente uma “disputa dura, cheia de dificuldades”.

(Sob supervisão de Ludyney Moura)

Jornal Midiamax