Política

Na Capital, 700 candidatos devem disputar vaga de vereador

No ano passado foram 526 interessados na disputa

Midiamax Publicado em 08/08/2016, às 16h33

None
camara.jpg

No ano passado foram 526 interessados na disputa

Enquanto na eleição de 2012, 526 pessoas concorreram a uma vaga na Câmara Municipal de Campo Grande, neste ano, a quantidade aumentou cerca de 36,8%. São 720 interessados, aproximadamente, em uma das 29 cadeiras do legislativo municipal. Quantidade essa que será definida por 595.174 eleitores campo-grandenses.

Segundo informações obtidas em suas respectivas convenções partidárias, os partidos que devem sair com o número máximo de candidatos a vereador, 44, são: PSD, PTB, PSC, PTN, PPS, PP, PEN e PMN. Juntos PV e Rede também devem lançar 44 nomes, assim como DEM, PHS e PTdoB. Na mesma linha estão PDT, SD, PSL e PRB.

As demais siglas seguem com PSDB (37), PT (25), PRTB (3), PMB (6), PROS (43), PSTU (1), PCO (3), PSDC (16), PRP (11), PR (7), PCdoB (17), PSOL (12), PMDB (33) e PSB (22). Vale ressaltar que esses número não é oficial e pode sofrer alterações. Os partidos tem até o dia 15 de agosto para oficializarem as candidaturas na majoritária e proporcional.

O pleito deste ano irá ocorrer no dia 02 de outubro. Esta eleição dá indícios de que será histórica em todos os níveis, já que se tem mais que o dobro de candidatos a prefeito, sendo 15, enquanto que em 2012 foram 7. Na época Campo Grande tinha 561.630 eleitores.

A disputa eleitoral de 2016 também deve ser marcante por que será demonstrado os reflexos dos acontecimentos políticos na cidade, pois este mandato legislativo e executivo da Capital se tornou histórico. Isso porque teve cassação de prefeito, vice assumindo, retorno de prefeito e vice afastado.

Paralelamente, ocorreu a citação e posteriormente a denúncia de 13 vereadores na Operação Coffee Break, que investiga uma suposta negociação para a cassação do prefeito Alcides Bernal (PP), que retornou ao cargo por decisão da justiça no mesmo dia em que os parlamentares municipais que votaram por seu afastamento foram levados pela polícia para prestarem depoimentos.

Jornal Midiamax