Política

Manifestante que fez campanha para reduzir salário de vereadores quer vaga na Câmara

Ele colheu assinaturas para redução do salário do Legislativo

Jessica Benitez Publicado em 08/08/2016, às 19h34

None
assinautea.jpg

Ele colheu assinaturas para redução do salário do Legislativo

O fisioterapeuta Denis Pereira, que no ano passado montou grupo de pessoas para colher assinaturas pela redução do salário dos vereadores, agora quer uma das 29 cadeiras da Câmara Municipal. Por meio do Facebook, rede social que usou para mobilizar a população sobre a remuneração do Legislativo, ele informou que é pré-candidato a vereador.

Seu nome foi colocado durante a convenção do Partido Progressista, mesmo do prefeito de Campo Grande Alcides Bernal, na noite da última sexta-feira (5). Ele garante que não cairá em hábitos duvidosos do mundo político. “Eu digo não ao velho método de politica (compra de votos, favores indevidos, promessas infundadas e incumpriveis e etc)”, escreveu.

E também sustenta que dará seguimento ao projeto de pela redução salarial dos vereadores. “O nosso Projeto de Lei pela Redução de Salários e Benefícios concedidos aos vereadores é Baseado na Lei Orgânica do Município (LMO) e na constituição federal (CF88).Talvez por estarmos habituados a viver uma cultura de corrupção, o projeto soe agressivo. Porém é o caminho para que haja uma reforma plena”.

A iniciativa surgiu em setembro passado e são necessárias 29 mil assinaturas de cidadãos campo-grandenses. O intuito é evitar que em 2017, quando ele pretende estar entre os vereadores, a remuneração suba para R$ 20 mil, como foi aprovado em 2014 passado pelos nobres pares, e tentar igualar a remuneração parlamentar ao que é pago ao cidadão brasileiro, ou seja, de acordo com a formação escolar de cada um.

Aos legisladores que possuem ensino médio o pagamento seria de R$ 1,5 mil a R$ 2,5 mil e aos com formação superior R$ 3,3 mil a 5,3 mil. Atualmente os 29 recebem R$ 15 mil por mês além do auxílio de até R$ 8,4 mil de verba indenizatória. Ao todo são necessárias quase 30 mil assinaturas, número que corresponde a 5% do eleitorado de Campo Grande, percentual exigido para que seja criado um projeto de lei de iniciativa popular.

Jornal Midiamax