Política

Ex-tesoureiro do PP é denunciado pelo MPF por desvio de dinheiro da Petrobrás

Genu teria recebido mais de R$ 6 milhões em propina desviada da Estatal

Joaquim Padilha Publicado em 24/06/2016, às 15h45

None
genu.jpg

Genu teria recebido mais de R$ 6 milhões em propina desviada da Estatal

O Ministério Público Federal denunciou à Justiça Federal, em Curitiba, o ex-tesoureiro do Partido Progressista (PP) João Claudio Genu pelo recebimento de mais de R$ 6 milhões em propina desviada de contratos da Petrobras. Ele é acusado pelos crimes de participação em organização criminosa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no âmbito da Operação Lava Jato, que investiga desvios de recursos na estatal. Genu foi um dos presos na 29ª fase da operação, no mês passado.

Além de Genu, que é ex-assessor parlamentar do ex-deputado José Janene, foram denunciadas, na noite de ontem (23), mais cinco pessoas: Lucas Amorin Alves, Jayme Alves de Oliveira Filho, Rafael Ângulo Lopes e Carlos Rocha (o Ceará) e a mulher de Genu, Cláudia Contijo Genu. Na denúncia, os procuradores pedem que o valor para a reparação do dano seja fixado em R$ 357.945.680,52.

“As investigações apontaram que Genu era um dos beneficiários e articuladores do esquema de desvio de recursos da estatal petrolífera, recebendo um percentual fixo da propina destinada ao PP”, diz a nota divulgada pela Procuradoria da República no Paraná. Entre as provas apresentadas pelos procuradores da Lava Jato, estão planilhas, depoimentos de colaboradores e e-mails. Foram encontrados também registros da portaria dos escritórios do doleiro Alberto Youssef que mostram que Genu visitou diversas vezes o local entre 2011 e 2014.

Pelo crime de corrupção passiva, o ex-assessor e ex-tesoureiro teria atuado junto com o ex-diretor de abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa no recebimento de propina que soma R$ 357.945.680.52, entre 2007 e 2012. O valor corresponde a 1% do valor de contratos firmados entre a Petrobras e empreiteiras.

Jornal Midiamax