Ex-secretário pede desbloqueio de bens por estar desempregado

Valtemir foi exonerado depois do afastamento de Olarte
| 29/02/2016
- 21:43
Ex-secretário pede desbloqueio de bens por estar desempregado

Valtemir foi exonerado depois do afastamento de Olarte

O ex-secretário de Obras e Infraestrutura do Município, Valtemir Alves de Brito, pediu que a Justiça libere R$ 148 mil em bens bloqueados desde junho do ano passado devido à ação de administrativa na qual é uma das partes. A denúncia do MPE (Ministério Público Estadual) aponta três supostas nomeações fantasmas. O vice-prefeito afastado Gilmar Olarte (PP) também faz parte do processo. Ex-secretário pede desbloqueio de bens por estar desempregado

O ex-titular da Seintrha alega que desde sua exoneração, feita no dia 27 de agosto pelo prefeito de Campo Grande Alcides Bernal (PP) que havia acabado de retornar ao cargo, está desempregado e “vem buscando o sustento próprio e de sua família com as economias e os rendimentos da esposa. Contudo, atualmente, não mais tem condições de fazer frente a essas despesas, necessitando com urgência, dos valores depositados na mencionada caderneta de poupança”.

Ele argumenta, ainda, que tem dois filhos menores para sustentar, conforme comprova sua declaração de Imposto de Renda. “Após seis meses desempregado, não possui o requerente mais recursos para manter o sustento próprio e familiar, restando como última possibilidade o desbloqueio da conta poupança mencionada”, reforça a defesa nos autos. Ainda não houve respaldo do juiz.

Caso – Além de Olarte e Valtemir, os acusados de não trabalhar também foram punidos, porém em menor montante. Felipe Félix, que é filho da ex-diretora-presidente da Agetran (Agência Municipal de Trânsito), Elizabeth Félix, teve bens no valor de R$ 3,9 mil bloqueados. Fabiana Garcia de Souza, a indisponibilidade de bens deve ser até o valor de R$ 57,9 mil e Ana Maria Ferreira Feliciano R$ 59,8 mil. Os números têm como base a soma dos holerites de cada um.

Veja também

Assessores criam bolha com grupos de puxa-sacos para justificar gasto, mas apelam para campanha de desinformação quando precisam de credibilidade

Últimas notícias