Política

Ex-governador do Rio, Sérgio Cabral é preso em nova fase da Lava Jato

PF identificou indícios de cartelização de grandes obras

Wendy Tonhati Publicado em 17/11/2016, às 09h48

None
agencia_brasil310811ant_019059.jpg

PF identificou indícios de cartelização de grandes obras

O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), foi preso preventivamente na manhã desta quinta-feira (17), na Operação Calicute, mais uma fase da Operação Lava Jato.

A etapa teve como objetivo investigar o desvio de recursos públicos federais em obras realizadas pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro. O prejuízo estimado pela PF é superior a R$ 220 milhões.

Por meio de nota, a PF informou que “ apuração em curso identificou fortes indícios de cartelização de grandes obras executadas com recursos federais mediante o pagamento de propinas a agentes estatais, incluindo um ex-governador do Estado do Rio de Janeiro, além de outros fatos”. 

Conforme a imprensa carioca, Cabral estava em sua casa, no Leblon, e foi levado pela PF sob gritos de ‘ladrão’.

São investigados os crimes de pertencimento à organização criminosa, corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro, entre outros. Também participam das diligências dezenove procuradores do MPF e cinco auditores fiscais da RFB (Receita Federal Brasileira).

Ainda conforme a PF, aproximadamente 230 policiais cumprem 38 mandados de busca e apreensão, oito mandados de prisão preventiva, dois mandados de prisões temporárias e 14 mandados de condução coercitiva expedidos pela 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro. 

Também são cumpridos 14 mandados de busca e apreensão, dois mandados de prisão preventiva e um mandado de prisão temporária expedidos pela 13ª Vara Federal de Curitiba.

Jornal Midiamax