Política

Diretório Nacional do PT aciona a Justiça para desfazer coligação com Renato Câmara

Partido diz que não apoia defensores do golpe contra Dilma

Midiamax Publicado em 14/09/2016, às 12h22

None
renato_e_dirceu.jpg

Partido diz que não apoia defensores do golpe contra Dilma

O Diretório Nacional do Partidos dos Trabalhadores acionou a Justiça para desfazer a coligação com Renato Câmara, candidato do PMDB à Prefeitura de Dourados, município a 228 quilômetros de Campo Grande. O pedido de anulação da convenção municipal que definiu apoio ao peemedebista está atualmente em trâmite na 43ª Zona Eleitoral da Comarca.

Em convenção realizada no dia 4 de agosto, os petistas douradenses desistiram de lançar para disputa majoritária o ex-reitor da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), Damião Duque de Farias. Na ocasião, foram 56 votos a favor da coligação com outro partido e 50 em defesa da candidatura própria.

Seis dias após a convenção municipal, Farias divulgou nota na qual teceu duras críticas à decisão de apoiar Renato Câmara. “O Partido dos Trabalhadores de Dourados, ao apoiar uma candidatura do PMDB, tornou-se aliado do golpismo!”, acusou naquela ocasião.

A Câmara de Recursos do PT foi acionada por uma das alas que defendia candidatura própria e no início deste mês comunicou ao Diretório Municipal a proibição do apoio ao candidato peemedebista à prefeitura. No entanto, aprovou a continuidade da coligação proporcional, dos postulantes à Câmara Municipal, desde que os dirigentes locais do partido declarassem publicamente que não apoiam “o candidato a prefeito Renato Câmara porque ele defendeu o golpe de Estado”.

Mesmo com essa ordem, o vereador Dirceu Longhi, presidente do Diretório Municipal do PT, garantiu ao Jornal Midiamax no dia 5 passado que entraria com recurso na Justiça Eleitoral e seguiu em campanha ao lado do candidato peemedebista à sucessão de Murilo Zauith (PSB). Segundo ele, a decisão da Câmara de Recursos foi “tomada no calor da votação do impeachment [da ex-presidente Dilma Rousseff] sem considerar as nossas particularidades locais”.

Mas em reunião na quinta-feira passada, dia 8 de setembro, a Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores decidiu manter a ordem da Câmara de Recursos. Na petição feita originalmente à 18ª Zona Eleitoral, o partido “comunica a anulação da Convenção Municipal do PT de Dourados/MS e os atos dela decorrentes” e “requer providências quanto à anulação da Convenção que escolheu o Sr. Renato Pieretti Câmara, do PMDB, como candidato a prefeito e manutenção da legenda PT na coligação proporcional com os nomes já escolhidos”.

Titular da 18ª Zona Eleitoral, a juíza Daniela Vieira Tardin declarou incompetência para julgar o caso, seguindo preceitos estabelecidos pelo TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul). O processo foi encaminhado para a 43ª Zona Eleitoral, e no final da tarde de terça-feira (13) o magistrado Rubens Witzel Filho mandou notificar a Coligação majoritária Coragem Para Mudar Dourados  “para se pronunciar sobre os fatos em 24h”. Em seguida, o Ministério Público Eleitoral será ouvido. 

Jornal Midiamax