Política

Debate sobre saúde pública tem acusação de cópia de plano de governo em Dourados

Candidatos à Prefeitura de Dourados participaram de debate

Midiamax Publicado em 21/09/2016, às 13h48

None
debate_candidatos.jpg

Candidatos à Prefeitura de Dourados participaram de debate

Os cinco candidatos que disputam a Prefeitura de Dourados, distante 228 quilômetros de Campo Grande, debateram propostas para a saúde pública do município. Na manhã desta quarta-feira (21), Délia Razuk (PR), Ênio Ribeiro (PSOL), Geraldo Resende (PSDB), Renato Câmara (PMDB) e Wanderlei Carneiro (PP) participaram do debate promovido pela Rádio FM Cidade, na Associação Médica da Grande Dourados.

Consenso entre os cinco adversários, somente o fato de que o setor debatido hoje é a principal preocupação dos moradores da segunda maior cidade do Estado. De um modo geral, os argumentos convergiam para a necessidade de maior aporte de recursos financeiros por parte dos governos estadual e federal para ampliar o financiamento dessa área no município.

O deputado federal Gerando Resende voltou a mencionar a proximidade com o governador Reinaldo Azambuja, seu correligionário, e até com o ministro da Saúde, Ricardo Barros. Além de ressaltar a articulação de verbas para construção do Centro de Diagnóstico e do Hospital Regional, o tucano alfinetou os adversários, acusando-os de copiar seu plano de governo.

“Não podemos vender ilusões, falsas expectativas, falsas promessas. Vai ser difícil a saúde de Dourados. Atenção básica, motivação dos servidores. Nosso escritório parece o muro das lamentações de Israel sobre a saúde pública. Cadê o plano de governo que foi distribuído para a população pelos outros candidatos?”

Nas considerações finais, a vereadora Délia Razuk não deixou barato e rebateu. “Nosso plano de governo foi feito através de parcerias com pessoas que conhecem os problemas do nosso município. Nosso plano é o plano da nossa população”, assegurou. A candidata enfatizou a necessidade de pôr em funcionamento unidades de saúde já existentes no município, como o PAI (Pronto Atendimento Infantil), obra concluída, mas ociosa.

O deputado estadual Renato Câmara também rebateu a acusação de cópia de plano de governo. “Nosso plano de governo reflete a vontade da população. Não fizemos nenhuma cópia de outro município mudando só o rosto só o nome”, disparou. Para o peemedebista, a mudança na saúde pública municipal deve ser feita agora. “Não podemos ficar esperando a coisa a longo prazo. Temos que fazer o presente, principalmente na saúde é ali no PAI, onde vai ter especialidades. Não podemos mais ficar esperando centro de diagnóstico que vai ser construído, temos que reestruturar o que já temos, como o PAM. As pessoas precisam da saúde, hoje, é imediato, é urgente”, ponderou.

Wanderlei Carneiro repetiu o que tem dito sobre conhecer Dourados como a palma da própria mão. “Não pretendo ser deputado estadual, federal, senador. Quero ser prefeito por um mandato ininterrupto de quatro anos”, asseverou o progressista.

Ênio Ribeiro defendeu o envolvimento de toda a comunidade para solucionar os problemas da saúde pública. “Precisamos investir na medicina preventiva”, pontuou, considerando que o plano de governo “é uma carta de intenção que a gente não consegue cumprir 100%”. 

Jornal Midiamax