Política

‘Coffee Break terá uma solução ainda este mês’, diz procurador-geral

Também comentou sobre a Lama Asfáltica

Diego Alves Publicado em 07/05/2016, às 02h09

None
interna.jpg

Também comentou sobre a Lama Asfáltica

O novo procurador-geral do MPE-MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) disse em solenidade de posse que a Operação Coffee Break do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), terá uma solução e os encaminhamentos legais à Justiça ainda neste mês de maio.

“A questão da Coffee Break terá uma solução minha ainda no mês de maio. Os encaminhamentos legais e todas as coisas que tiverem de serem feitas na Operação Coffee Break serão feitas ainda no mês de maio por que eu já estou trabalhando nela” disse.

A apuração sobre a Coffee Break foi feita para detectar se houve compra de votos por parte dos vereadores para a cassação do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), em março de 2014.

O novo procurador- geral também comentou sobre a operação Lama Asfáltica. “A Lama Asfáltica já tem mais de 60 inquéritos  civis instaurados, temos mais de cinco ações penais, várias medidas cautelares , bloqueio de mais de R$ 300 milhões de reais, e é uma investigação complexa, vai demorar algum tempo  mais as ações e atuação do Ministério Público continuarão sendo feitas", argum,entou

A Operação Lama Asfáltica, deflagrada em julho do ano passado, realizou 19 mandados de busca e apreensão na casa de empreiteiros e políticos de Mato Grosso do Sul para investigar o prejuízo de R$ 11 milhões na construção de obras com recursos federais.

Na avaliação da Polícia Federal, Amorim contou com a ajuda da gestão de Puccinelli para montar uma organização criminosa que atuava em várias obras do governo do Estado, com direcionamento de licitação e superfaturamento.

Foram feitas buscas na casa do ex-deputado federal Edson Giroto (PMDB), que atuou como secretário de Obras de Puccinelli e também são investigados Maria Wilma Casanova, adjunta na Secretaria de Obras, Hélio Yudi, fiscal terceirizado, Marcos Puga servidor da Agesul, Beto Mariano, Edmir Fonseca Rodrigues, Márcia Alvares, Newton Stefano e André Luiz Cance, além dos empresários João Alberto Krampe Amorim dos Santos, Elza Araújo (sócia dele) e Rômulo Menossi.

Jornal Midiamax