Política

Bernal cita auditoria para justificar veto a pagamento de exonerados

Os ex-servidores estão reunidos com presidente do Sisem

Jessica Benitez Publicado em 22/01/2016, às 18h07

None
bernal_2210_ml.jpg

Os ex-servidores estão reunidos com presidente do Sisem

Para justificar a suspensão do pagamento do acerto do alto escalão da gestão do vice-prefeito afastado Gilmar Olarte (PP), o atual chefe do Executivo, Alcides Bernal (PP), voltou mencionar auditoria que, segundo ele, está sendo feita para detectar supostos funcionários fantasmas. Desde que as exonerações foram publicadas no Diário Oficial a justifica usada para o atraso na remuneração é esta. No entanto, os responsáveis por auditar ou dados mais concretos nunca foram apresentados.

“Estão sendo auditados. Muitos não trabalhavam”, se limitou a dizer o radialista por meio do whatsapp. Questionado sobre qual valor ainda resta a pagar, qual prazo para terminar de auditar e por que comissionados que ganhavam menos já receberam completamente, ele não respondeu.

A previsão de terminar de pagar os comissionados que foram exonerados logo após o afastamento do pastor, no final de agosto do ano passado, era para no máximo dia 20 de janeiro. Fato que não aconteceu. Ao todo, conforme o secretário de Planejamento, Finanças e Controle, Disney Fernandes, são R$ 3,5 milhões para pagá-los. Grande parte já foi depositada.

Outro lado – Desta forma, os ex-funcionários estão reunidos junto ao presidente do Sisem (Sindicato dos Servidores Municipais de Campo Grande), Marcos Tabosa, para definirem estratégia e reverter a situação. Até o final da tarde desta sexta-feira (22) haverá comunicado sobre o plano a ser seguido pelo sindicato.

Jornal Midiamax