Política

Bancada tucana vai diminuir vantagem sobre peemedebista em 2017

Jogo virou após a janela partidária

Midiamax Publicado em 20/11/2016, às 18h58

None
assembleia.jpg

Jogo virou após a janela partidária

Até o início de 2015, dos 24 deputados estaduais, o PMDB ocupava o posto de maior bancada na Assembleia Legislativa, com seis. Agora, após a janela de desfiliação, quem tem a maior quantidade de parlamentares é o PSDB, com uma diferença considerável, estando com oito. Mas tudo indica que em 2017 essa quantidade irá mudar e a diferença entre as legendas deve diminuir.

Os peemedebistas somavam seis membros no início do ano passado (Antonieta Amorim, Eduardo Rocha, Junior Mochi, Renato Câmara, Mauricio Picarelli e Marquinhos Trad). Na época os tucanos eram apenas quatro (Onevan de Matos, Ângelo Guerreiro, Flávio Kayatt e Rinaldo Modesto).

Com a janela de desfiliação que ficou válida de 19 de fevereiro a 30 de março, políticos com mandatos podiam trocar de legendas sem o risco de ser acusado de infidelidade partidária. Desta forma, rolou uma total “dança das cadeiras” entre as siglas em todo o país e em Mato Grosso do Sul não foi diferente.

Sendo assim o PMDB teve uma queda em seu total de membros, saindo Marquinhos Trad, que foi para o PSD, Mauricio Picarelli que se tornou um tucano e entrando Marcio Fernandes, que deixou o PTdoB. Enquanto isso, o crescimento do ninho foi expressivo, passando de quatro para oito. Além dos já citados, eles receberam a filiação de Mara Caseiro, ante PTdoB; Felipe Orro e Beto Pereira, que eram do PDT e Mauricio Picarelli, ante peemedebista.

Agora com o resultado da eleição deste ano, muitas coisa deve mudar e essa diferença tem tudo arpa diminuir. Isso por que o PSDB irá perder um deputado, Ângelo Guerreiro, que goi eleito prefeito de Três Lagoas e entra o suplente, atual vereador Herculano Borges, do Solidariedade.

Pelo mesmo motivo terá novidade para os peemedebistas, pois Trad foi eleito prefeito da Capital e com isso seu substituto na cada de leis é da coligação do PMDB, que era seu partido quando se elegeu deputado estadual. Com isso quem entra em seu lugar é o vereador Paulo Siufi, que é do PMDB.

Desta forma, no início da legislatura de 2017, o PMDB deve ficar com seis parlamentares e o PSDB com sete. Completando as demais cadeiras da Assembleia, seguem Lidio Lopes (PEN), George Takimoto (PDT), Grazielle Machado e Paulo Corrêa, ambos do PR, Zé Teixeira (DEM), Coronel David (PSC) e os quatro petistas, Cabo Almi, Amarildo Cruz, Pedro Kemp e João Grandão.

Jornal Midiamax