Política

Audiência pública na Assembleia debate a reforma do Ensino Médio

Em análise no Congresso

Diego Alves Publicado em 19/11/2016, às 01h33

None
julianaturatti181120162035.jpg

Em análise no Congresso

Durante toda a tarde desta sexta-feira (18/11), autoridades, educadores e estudantes debateram a Medida Provisória (MP) 746/2016 que trata da reforma do Ensino Médio e está em análise no Congresso Nacional. A proposição do debate é do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Junior Mochi (PMDB) e do senador Pedro Chaves (PSC-MS) que é o relator da proposta na comissão mista que analisa a MP.

Ao abrir a audiência o deputado Junior Mochi falou da necessidade do debate. “Nós entendemos a importância da educação, da sua alteração para melhorar e o debate aqui hoje é um caminho. Mato Grosso do Sul está tendo uma oportunidade única de discutir esse tema que poderá e muito contribuir para o relatório do senador”, argumentou o presidente.

“Sempre trabalhei com educação e tem 10 anos que estamos discutindo o Ensino Médio. Esclareço que a MP será modificada de acordo com as necessidades dos alunos e dos professores que são os mais interessados. O Ensino Médio precisa ser mudado, não podemos continuar engessados com as 13 disciplinas que tem no momento. É necessário que haja mudanças”, explicou o senador Pedro Chaves.

A vice-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Amanda Andersom é contra a MP. “Somos contra a MP e todo o retrocesso que seja aplicado na educação. Nossa educação não é mercadoria e lutamos por uma educação igualitária”, declarou.

Já a secretária geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, Marta Vanelli disse que a educação do país está com dificuldades e fez um pedido ao senador. “O Ensino Médio está mal porque a escola não nós dá estrutura para que possamos desenvolver um bom trabalho. A MP tem que ser retirada e pedimos para que o senador a rejeite em seu relatório e que se abra um canal para que possamos debater como melhorar a educação no país”.

“Não é por medida provisória que se faz uma mudança dessas. Como ser escola integral, se uma parte das matérias está sendo jogada no lixo? Essa reforma é para formar mão de obra barata para o mercado de trabalho que está aí”, afirmou o presidente da Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia, deputado Pedro Kemp (PT).

Para o reitor da Universidade Estácio de Sá no Rio de Janeiro, Ronaldo Mota o Ensino Médio como está não está bom. “Vejo a audiência como uma oportunidade para a discussão e como mostra o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) o Ensino Médio não está avançando e como ele está não serve para ninguém. Não temos que copiar nenhum modelo, mas não podemos ignorar boas experiências”, destacou o reitor.

“É bastante difícil e complexo entender o que é a escola hoje. A escola pública é viável desde que não seja um espaço para politicagem”, lembrou o especialista em educação, Antônio Carlos do Nascimento Osório.

Participaram também da audiência pública os deputados estaduais Amarildo Cruz (PT) e Renato Câmara (PMDB).

Jornal Midiamax