Política

UPA veterinária não sai do papel e vereador tenta emplacar mesmo projeto

Nelsinho chegou a lançar plano arquitetônico em 2012

Jessica Benitez Publicado em 28/06/2015, às 15h55

None
_mg_2244_copy.jpg

Nelsinho chegou a lançar plano arquitetônico em 2012

Na próxima quarta-feira (01) entra em votação na Câmara Municipal projeto de lei que autoriza o Poder Executivo a criar Unidade de Pronto Atendimento Veterinária (UPA-VET) para animais em Campo Grande. A autoria é do vereador Chiquinho Telles. No entanto, teoricamente, o CCZ (Centro de Controle Zoonoses) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) já deveria abrigar uma unidade desde 2012. 

O então prefeito da Capital, Nelson Trad Filho (PMDB), lançou projeto arquitetônico de uma UPA veterinária há exatos três anos, em julho de 2012. À época o peemedebista chegou a apresentar a planta do prédio que iria atender cachorros e gatos. A promessa foi feita logo após a polêmica em torno do cão que sofreu maus-tratos e foi batizado como Scooby, ele foi amarrada a uma motocicleta e arrastado do Bairro Aero Rancho até o CCZ. 

Na planta o pronto-socorro para os animais teria 70 metros quadrados e seria construído próximo ao estacionamento do Centro de Zoonoses. Nelsinho dizia que a UPA serviria de exemplo para todo o País.  “Esse projeto é feito desde o ano passado e foi concluído no dia 3 de julho (2012). Já passou da hora de a cidade ter um local de atendimento público para os animais. O projeto vai ser modelo para o país todo”, disse na ocasião.

A unidade deveria oferecer serviços como consultas, orientações, medicação de urgência e até mesmo contar com uma sala de soroterapia. Os recursos seriam provenientes de convênios, que estavam em estudo na época. De lá para cá, não foram mais divulgadas informações sobre o projeto.

Atualmente a população campo-grandense não tem para onde levar animais que necessitam de atendimento gratuito de urgência e emergência. A solução mais procurada é buscar auxílio de ONGs (Organizações Não Governamentais) para financiar os tratamentos.

Jornal Midiamax