Política

Servidores estaduais da Educação aguardam até dia 14 proposta salarial

Servidores estaduais de educação aguardam proposta do governo

Diretoria Publicado em 30/04/2015, às 23h54

None
web.roberto_assembleia_proposta1.jpg

Servidores estaduais de educação aguardam proposta do governo

Servidores administrativos das escolas estaduais de Mato Grosso do Sul podementrar em greve a partir do dia 14 de maio. A previsão é do presidente do Sintede-CG (Sindicato dos ServidoresAdministrativos da educaçãoPública Estadual de Campo Grande), WildesOvando Pereira. Aproximadamente 150 trabalhadores da educação se reuniram na tardedesta quinta-feira (30), no auditório da Fetems (Federação dos TrabalhadoresEducação de MatoGrosso do Sul) paradiscutirem o reajustesalarial da categoria. Elespedemaumento de no mínimo 8%.

Conforme Wildes o governador do Estado, Reinaldo Azambuja tem ‘mandado recadopela imprensa’ avisando que não serápossível conceder o aumento aos trabalhadores. No entanto, tal atitude tem deixado a categoriainsatisfeitatendo em vista que, segundoWildes, Reinaldo não chegou a ter um diálogo oficial com os trabalhadores.

“Estamos preparando a categoria para o que vier. Ele não se reuniu conosco ainda, sabemos das declarações dele por causa das notícias da imprensaCaso ele não conceda o reajuste nós vamosentrar em greve em todoEstado”, disse.

Em Campo Grande são 1.500 servidores administrativos e, em todo o Estado, 5.800. A lutapeloreajustesalarial do Sintede-CG é seguidatambémpela Fetems. A Federaçãotambémespera que o governadorconcedamais 10.98% de reajuste dos vencimentos dos professoresparacumprirnegociação estabelecidapeloex-chefe do Executivo, AndréPuccinelli.

Uma reunião marcada para o dia 10 de maio entre Reinaldo, representantes do Sintede-CG e da Fetems, deve por em evidências as reivindicaçõessindicais para que haja um acordosobre os salários dos servidores.

Também está agendada para o dia 14 uma manifestação dos trabalhadores da educação na AssembleiaLegislativaparaimpedir que sejavotadoprojeto que prevêeleiçãoparadiretores de escolassomente com a participação de professores.

Jornal Midiamax