Política

Prefeitura vai cortar gratificações e contratados para não comprometer folha

Cortes na Sesau e Semed ainda não foram publicados

Ludyney Moura Publicado em 24/04/2015, às 21h53

None
gilmar_olarte_divulgacao_marlon_ganassim.jpg

Cortes na Sesau e Semed ainda não foram publicados

Depois dos cortes na Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), a Prefeitura de Campo Grande vai promover redução de gastos também na Semed (Secretaria Municipal de Educação). Gratificações e contratados serão suspensos.

A informação ainda não foi publicada no Diário Oficial. Procurado pela reportagem para comentar o assunto, o secretário municipal de governo, Rodrigo Pimentel, afirmou que o assunto está sendo conduzido pelo titular da SAD (Secretaria Municipal de Administração), Wilson do Prado, que não foi encontrado para explicar os cortes.

Servidores relatam que tiveram seus contratos diminuídos ou suspensos sob justificativa de que ‘redução de gastos para não comprometer a folha de pagamento do município’. Professores concursados que tinham contratos com a prefeitura também perderam aulas e foram obrigados a optar pela escola ou secretaria.

O prefeito Gilmar Olarte (PP) tem afirmado que as reduções nos repasses do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), por parte do governo estadual, e do FPM (Fundo de Participação dos Municípios), oriundos da União, contribuíram para a queda nas receitas da prefeitura.

Na noite da quinta-feira (23), servidores da Sesau receberam um documento comunicando o corte de plantões e diminuição do número de técnicos de enfermagem e enfermeiros em plantões das unidades de saúde de Campo Grande.

Antes, técnicos e enfermeiros que poderiam fazer até 14 plantões, agora só podem fazer 10 por mês. O mínimo obrigatório continua sendo oito. Cada plantão para um técnico de enfermagem custa aproximadamente R$ 230 e de um enfermeiro em torno de R$ 450.

No documento, também consta o número de 16 técnicos de enfermagem que era 18 e caiu para 16 nos plantões das Unidades de Pronto Atendimento e Centro Regionais de Saúde. Já na triagem, onde trabalhavam dois enfermeiros, somente um ficará agora na função em seis horas.

Jornal Midiamax