Política

Prefeito diz que vereadores se equivocaram sobre ‘tarifaço’ do IPTU

Ele prometeu ir à Câmara Municipal

Jessica Benitez Publicado em 08/11/2015, às 15h20

None
bernal_0611_400x300_ml.jpg

Ele prometeu ir à Câmara Municipal

O prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), disse que as cobranças feitas pelos vereadores em relação ao IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) são equivocadas, pois os documentos que provavam suposto 'tarifaço', segundo ele, são relacionados ao ITBI(Imposto sobre a Transmissão Inter Vivos de Bens Imóveis).

“Houve um equívoco, eles mostraram, na verdade, ao ITBI, que o contribuinte paga quando compra o imóvel. O reajusta do IPTU foi feito com base na inflação, foi isso”, disse hoje pela manhã durante agenda pública. Para sanar o problema ele garantiu que se reunirá com seus técnicos nesta segunda-feira (9) e, posteriormente, irá à Câmara Municipal esclarecer os fatos aos vereadores.

No entanto, por trás do tom pacífico, deixou claro que a decisão quanto ao IPTU não está aberta para debate com a Casa de Leis. “Não vou discutir isso, não acrescenta nada na discussão”, completou. Durante sessão ordinária na última quinta-feira (5), Aírton Saraiva (DEM) colocou em xeque a adequação de 9,57% que haverá no tributo de 2016.

Ele chegou a apresentar extrato de avaliação de terreno, segundo ele do lote de um contribuinte no Jardim Noroeste, que em poucos dias apresentou variação de quase 250%. Conforme o documento mostrado por Saraiva, uma área no Noroeste, no dia 19 de outubro, constava com avaliação de R$ 7,2 mil e, no dia 4 de novembro, aparece com valor de R$ 25,2 mil.

“Estamos vendo a suspeita de ‘tarifaço’, tudo feito na calada da noite, escondendo da casa e da população”, disse na ocasião. Pouco antes Carlão Borges (PSB) falou que será feito requerimento à Prefeitura para apresentação da planta genérica de valores, que faz parte dos cálculos do Executivo pra apurar o valor a ser pago de IPTU.

São levados em conta os dados da CVI (Câmara de Valores Imobiliários) e um mapa que divide a cidade em mais de 1,7 mil setores, tendo como resultado o custo do metro quadrado em cada um deles, segundo explicação disponível na página da Prefeitura na internet.

Jornal Midiamax