Política

Prefeito admite dívida de R$ 60 milhões, mas diz que ela já foi cinco vezes maior

Contrato com a Caixa pode render R$ 35 milhões

Midiamax Publicado em 08/08/2015, às 14h23

None
fachada-paco-municipal_cleber-gellio-107-8.jpg

Contrato com a Caixa pode render R$ 35 milhões

O prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP), admitiu que a Prefeitura de Campo Grande tem uma dívida de R$ 60 milhões com fornecedores, mas minimizou o problema, afirmando que este valor já foi cinco vezes maior.

“Assim que assumi a Prefeitura eu peguei uma dívida de R$ 300 milhões. Para R$ 60 milhões é uma evolução muito grande. Não estamos maquiando. Estamos enfrentando os problemas que herdamos, mas lá na frente já vemos a luz”, declarou.

O prefeito ponderou que a administração enfrenta muitos problemas por conta da falta de recursos para a “fonte 1”, mas disse estar confiante de que estas dificuldades serão superadas a cada dia.  “Acredito que passando novembro já vai estar bem mais equilibrado”, apostou.

Entre as saídas para o prefeito está um contrato com a Caixa Econômica Federal, que pode render até R$ 35 milhões. Com a venda do HSBC, a Prefeitura pode fechar contrato com a Caixa Econômica para pagamento de salário dos servidores e ganhar recurso para “Fonte 1”.

O prefeito ainda não falou em valores, mas lembrou de contratos feitos no passado, quando os antigos prefeitos lucraram entre R$ 30 e R$ 35 milhões. Além deste dinheiro, o prefeito ainda conta com a venda de títulos da dívida pública e arrecadação de impostos de imóveis que ainda estão irregulares com a Prefeitura.

O secretário de Administração, Wilson do Prado, tinha como meta economizar R$ 20 milhões com a folha de pagamento até o mês passado. Porém, até o momento, conseguiu enxugar R$ 2 milhões. Eles esperam economizar mais com a demissão de outros 200 comissionados, que deve acontecer nos próximos dias. 

Jornal Midiamax