Política

Polícia Federal deixa residência de Delcídio e populares protestam

Advogado alega que cofre não foi revirado

Midiamax Publicado em 25/11/2015, às 12h19

None
_mg_40001.jpg

Advogado alega que cofre não foi revirado

A Polícia Federal já deixou a residência do senador Delcídio do Amaral (PT), em Campo Grande. Os policiais não pararam para falar com a imprensa e só o advogado Valeriano Fontoura se pronunciou. Segundo Valeriano, a polícia não apreendeu nada de relevante.

O advogado disse que não pode falar muita coisa sobre o caso porque está sob sigilo, mas negou que a polícia tenha aberto cofre na residência. Um primo de Delcídio, Fernando Amaral Santos Neto, também acompanhou a busca e criticou a operação, dizendo ser perseguição ao PT.

A busca na casa do senador chamou a atenção de populares, que paravam em frente à residência para filmar. Alguns foram além e gritaram ao passar em carros. “Deus é justo. Demorou, mas aconteceu”, disse um dos vários populares que passaram pelo local.

A prisão de Delcídio do Amaral foi autorizada pelo Supremo Tribunal Federal com alegação de que ele tentava conturbar as investigações da Operação Lava Jato. Delcídio havia sido citado pelo ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, por suposta participação  em esquema de desvio de recurso para compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos.

Além de Delcídio, também foram detidos o chefe de gabinete dele, Diogo Ferreira, o advogado de Nestor Figueiró, Édson Ribeiro, e o banqueiro do BTG Pactual, André Esteves. A reportagem conversou com vários assessores do senador, de Campo Grande e Brasília, mas ninguém soube dizer o que está acontecendo. Eles alegam que tentam contato com o senador, mas não conseguem falar.

Jornal Midiamax