Política

Polêmica é questão pessoal, diz Reinaldo sobre homenagem a Bolsonaro

Deputado receberá condecoração da Polícia Militar de MS

Midiamax Publicado em 17/04/2015, às 13h33

None
img-20150417-wa0082.jpg

Deputado receberá condecoração da Polícia Militar de MS

O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), minimizou as discussões sobre homenagem que a Polícia Militar prestará ao deputado federal Jair Bolsonaro (de saída do PP). “É uma questão pessoal, esta polêmica fica com ele”, disse o tucano, durante agenda pública na manhã desta sexta-feira (17).

Segundo Reinaldo, o parlamentar carioca já apresentou “mais de dez” propostas para a área de segurança pública no Brasil. Bolsonaro será agraciado com a Medalha Tiradentes, conforme divulgou o comando da PM no dia 10 de abril.

O secretário estadual de Justiça e Segurança Pública, Silvio Maluf, também comentou a homenagem ao parlamentar. “Poucas pessoas brigam efetivamente por melhores salários e defendem as ações da polícia”, criticou, dizendo que “se a polícia faz (a população) critica, se não faz critica, aí fica difícil”, finalizando: “Seria como escolherem um convidado para festa na sua casa”.

Segundo o secretário, “a homenagem é da instituição, não da população” – em que pese o fato de a corporação ser uma organização pública, gerida com recursos públicos. Ao todo, a PM irá homenagear 31 figuras públicas.

Bolsonaro é capitão da reserva do Exército e a homenagem foi uma indicação da Associação dos Oficiais Militares de Mato Grosso do Sul, pelo fato de o parlamentar ser “grande defensor das polícias militares do Brasil e de seus integrantes”. O deputado também serviu em Nioaque, entre os anos de 1979-1981.

Depois da notícia da homenagem a Bolsonaro, houve reação contrária por parte de organizações como a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação). O deputado tem surgido nos noticiários, de tempos para cá, por conta de declarações consideradas homofóbicas e preconceituosas.

No começo da semana, por exemplo, Bolsonaro foi condenado a pagar indenização de R$ 150 mil por conta de declarações homofóbicas feitas a um programa de televisão. Ele já disse, também, considerar injusta a igualdade entre homens e mulheres no mercado de trabalho e, no episódio mais conhecido, numa discussão pública com a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) ele mandou: “Não lhe estupro porque você não merece”.

Jornal Midiamax