Política

PMDB perdeu o poder em MS porque ‘queria tudo’, dispara Reinaldo

Para ele, receita para o sucesso é valorizar aliados

Jessica Benitez Publicado em 22/06/2015, às 20h14

None
img-20150620-wa0077.jpg

Para ele, receita para o sucesso é valorizar aliados

Ainda saboreando vitória inédita conquistada em 2014, o governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), não quer correr o risco de deixar o PSDB fora dos holofotes no próximo pleito e, por isso, garante que não seguirá o exemplo deixado pelo PMDB do ‘quem muito quer nada tem’. O tucano afirmou na tarde de hoje, durante agenda pública, que entre os principais erros do PMDB está a ganância pelo poder.

“Acho que sempre temos que trabalhar com os aliados. Não podemos querer o poder para nós. O grande erro do PMDB quando esteve no governo foi querer poder uno, só para um partido”, disse referindo-se aos oito anos consecutivos em que o ex-governador André Puccinelli (PMDB) esteve à frente do Estado.

Durante os mandatos peemedebistas, tanto na Prefeitura de Campo Grande, quanto no Governo do Estado, o PSDB ocupou papel secundário e em 2012 optou por cortar cordão umbilical, lançando candidatura própria. Em 2014 a situação se repetiu e culminou na vitória tucana. Atualmente o PMDB possui apenas os comandos dos Legislativos Municipal e Estadual.

Sendo assim, o plano para 2016 é valorizar partidos aliados, mesmo que para isso seja necessário sacrificar candidatura própria em alguns municípios. “O que vale é a responsabilidade em pactuar o entendimento do projeto”, disse. Para exemplificar o altruísmo que deve reger a esfera política, ele reforçou que ajudará o prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP), a sair da estagnação.

“Campo Grande precisa de apoio e trabalho, precisa se desenvolver e vai ter nosso apoio”, garantiu. O intuito é priorizar ações voltadas à saúde e infraestrutura já nos próximos dias. “A questão política a gente vai construir com os aliados também”, concluiu.

Jornal Midiamax