Política

Pedra culpa crise por falta de apoio e Bernal recebe vereadores para ‘conversas’

Secretário busca harmonia e independência

Midiamax Publicado em 15/10/2015, às 10h39

None
12079262_563073203855255_4826569227463324718_n.jpg

Secretário busca harmonia e independência

O prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), ainda não desistiu de construir uma base de sustentação na Câmara. A meta inicial era chegar a 20 vereadores em poucos dias, mas passados 45 dias, o prefeito só tem na base os vereadores Cazuza (PP), Luiza Ribeiro (PPS), Betinho (PRB) e Eduardo Cury (PTdoB).

O secretário de Governo, Paulo Pedra (PDT), reconhece a dificuldade para ampliar a base e atribui a culpa à crise financeira, mas espera reverter o jogo. “Pegamos uma prefeitura arrebentada. Não dá para você brincar. Mas a relação vai ser boa”, aposta.

O secretário cita como ponto inicial a conversa do prefeito com alguns vereadores. Segundo Pedra, ontem Bernal já recebeu quatro vereadores, que apresentaram suas reivindicações e estreitaram laços com a gestão.

“Ontem foram quatro. Hoje serão outros tantos. Nós estamos conversando com a Câmara. Recebemos o Chiquinho Telles (PSD), Carlão (PSB), Edson Shimabukuro (PTB) e Francisco Saci (PRTB). Vejo que os vereadores querem paz. Acredito em uma relação harmônica e de independência. Críticas construtivas sempre serão bem vindas”, avaliou.

Pedra não espera uma relação como a de antigamente, nas gestões de Nelsinho Trad (PMDB), André Puccinelli (PMDB) e Gilmar Olarte (PP), por entender que hoje situação é diferente.  “Havia uma falta de costume. As pessoas estavam acostumadas a ter um prefeito com um rolo compressor (tudo é aprovado) na Câmara. Hoje o rolo compressor não é adequado”, concluiu. 

Jornal Midiamax