Política

Oposição vê manobra da base para livrar Olarte de processante

Vereadores temem habeas corpus que cancele investigação

Evelin Cáceres Publicado em 13/08/2015, às 14h36

None
luiza.jpg

Vereadores temem habeas corpus que cancele investigação

Os vereadores da oposição ao prefeito Gilmar Olarte estão revoltados com a demora na votação pela abertura da comissão processante, que acontece nesta quinta-feira (13) na Câmara de Campo Grande. A vereadora Luiza Ribeiro (PPS) destaca que a leitura de item por item pode ser manobra da base.

“A oposição quer esvaziar a comissão processante. Ao invés de votar logo, como fizeram com o Alcides Bernal, querem votar item por item e aprovar somente a investigação do Gaeco, aceita pelo Tribunal de Justiça ontem”, reclamou.

Além deste item, outros cinco baseiam o pedido de abertura a comissão. Entre eles, a não apresentação do balanço bimestral das contas à Câmara, o uso do “cheio de charme”, jatinho particular dos empresários que mantém contratos milionários no Estado, João Baird e João Amorim, para uma viagem de trabalho à Brasília com a primeira-dama, não cumprimento da lei que reajusta o salário dos professores, entre outros.

“Eles querem aprovar só um dos itens, boicotar o resto e tentar um habeas corpus, alguma decisão judicial em cima da hora, para derrubar a processante”, disse.

Os vereadores fazem a leitura do documento desde às 10 horas, e os vereadores aguardam a votação. 

Jornal Midiamax