Política

‘Onde estão as leis?’, diz presidente da Comissão de Ética da Câmara

Gaeco pediu afastamento dele e de mais 16 vereadores

Midiamax Publicado em 29/09/2015, às 12h01

None
img-20150908-wa0104.jpg

Gaeco pediu afastamento dele e de mais 16 vereadores

Presidente da Comissão de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Municipal de Campo Grande, o vereador João Rocha (PSDB) se disse tranquilo, nesta terça-feira (29), sobre pedido de afastamento dele e de mais 16 colegas do cargo, feito pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado). “Não estou preocupado, tenho a consciência tranquila e durmo em paz”, diz o tucano.

O vereador, no entanto, reclama não ter sido sequer ouvido até o momento no decorrer da Operação Coffee Break, que investiga esquema de corrupção para cassar o prefeito, Alcides Bernal (PP). Os 17 com pedidos de afastamento são os que continuam vereadores, de um total de 23 que votaram na ocasião, após a cassação, ocorrida em março de 2014.

“A gente deduz que quem pediu tem provas contundentes, que justifiquem a medida. Pedir por pedir, que país é este? Onde estão as leis? Eu, por exemplo, nem fui ouvido”, rebate o vereador, cuja principal incumbência atualmente é investigar, dentro da Câmara, os colegas envolvidos na Coffee Break.

Rocha garante que os trabalhos na casa seguirão normalmente. “Eu e os outros passamos pelo crivo das urnas. Até que provem o contrário, estamos legitimados”, contrapõe o vereador, questionando se haverá a mesma proporção no caso se o TJ (Tribunal de Justiça) negar o pedido de afastamento feito pelo Gaeco.

Jornal Midiamax