Política

Mesmo diante de crise, petista não acredita em rejeição recorde de Dilma

Segundo o Datafolha, 71% rejeita a presidente

Jessica Benitez Publicado em 09/08/2015, às 13h00

None
amarildo_cruz.jpg

Segundo o Datafolha, 71% rejeita a presidente

Mesmo ciente que a impopularidade da presidente da República Dilma Rousseff (PT) existe, o deputado estadual Amarildo Cruz (PT) acredita que a pesquisa divulgada essa semana pelo instituto Datafolha, na qual a petista aparece com 71% de rejeição, seja “tendenciosa”. 

O parlamentar alega que as amostragens não retratam a verdade. “Quando a situação esta ruim eles pioram, quando está boa eles melhoram. Vai do dono do instituto. Com certeza a margem de erro também conta. Não acredita que a Dilma tenha essa rejeição toda, nós, petistas, somos maiores que isso”, disse.

Ele associa o resultado da pesquisa à vontade dos segmentos que não querem mais o PT no comando e, por isso, avalia que houve manipulação dos dados. “Por isso a pesquisa é tendenciosa”. No entanto, o parlamentar admite que a rejeição à presidente tem grande proporção. “É grande, mas não chega a esse número do Datafolha que é de um jornal com postura assumida contra o governo”.

Amarildo opina que para reverter o atual cenário de crise político-econômica é necessário abrir diálogo como Congresso Nacional, mesmo se tratando de políticos e bancadas conservadoras. Com certeza esse é o Congresso mais conservador dos últimos 50 anos, mas foi eleito, então tem que governar com ele”, concluiu.

Números – A pesquisa em questão foi feita nos dias 4 e 5 de agosto com 3.358 pessoas de 201 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos e tem 95% de confiabilidade. Dos entrevistados, 71% considera o atual Governo Federal ruim ou péssimo e 1% preferiu não responder. De acordo com o instituto essa é a maior reprovação presidencial da história do Datafolha, criado em 1990.

Jornal Midiamax