Política

Legislativo começa ano com Assembleia fechada e, na Câmara, poucos vereadores

São poucos os funcionários atendendo durante recesso

Midiamax Publicado em 12/01/2015, às 15h09

None
camara_municipal_-_mj.jpg

São poucos os funcionários atendendo durante recesso

O clima ainda é de férias no Poder Legislativo em Campo Grande. Na Assembleia Legislativa a porta da frente está fechada e só alguns funcionários têm acesso a Casa, que só volta a atender no dia 1º de fevereiro, na posse dos novos deputados.

Alguns funcionários interromperam as férias, iniciadas no dia 16 de dezembro, para dar posse ao novo governador, Reinaldo Azambuja (PSDB) e a vice-governadora, Rose Modesto (PSDB). Agora, a maioria só volta no dia 1º de fevereiro.

Na Assembleia são poucos os que cumprem expediente. O deputado Eduardo Rocha (PMDB) estava na Casa, mas apenas de passagem. Ele prefere usar o caixa eletrônico disponível no prédio do Legislativo.

Na Câmara de Campo Grande o clima também é de recesso, mas as portas estão abertas para o atendimento ao público, ainda que alguns gabinetes estejam em reforma. Alguns vereadores seguem o trabalho normalmente, enquanto outros só voltam após os 30 dias de férias. O gabinete do vereador Paulo Siufi (PMDB) é um exemplo. Na porta há um aviso: “Férias Coletivas: retornaremos expediente no dia 15/01/2015”.

O vereador Chiquinho Telles (PSD) é um dos cinco que se ofereceram para atender ao público durante o recesso da Câmara. Com o gabinete cheio, o vereador diz que não gosta de se ausentar muito porque a cidade não para, assim como os problemas.

O vereador diz que muitos podem acusá-lo de demagogia, mas é contrário a férias de parlamentares. Ele entende que os parlamentares deveriam ter no máximo 15 dias de férias. “Quinze dias está de bom tamanho. Sou contra 50 dias de férias”, opinou.

O vereador Paulo Pedra (PDT) também estava atendendo no gabinete na manhã desta segunda-feira. Ele conta que pegou apenas uma semana de férias e prefere descansar mais no período do Carnaval. Apesar disso, não é radical a ponto de ser contra férias de 30 dias. “Cada um faz sua opção”, concluiu.

Vereadores e deputados têm quase 60 dias de férias em um ano. Eles têm um recesso mais curto no meio do ano, geralmente de 15 dias, e outro mais prolongado no início e fim do ano, que em média chega a 45 dias. 

Jornal Midiamax