Política

Erros em dados enviados pela prefeitura reforçam pedidos por CPI dos Buracos

Prefeitura enviou planilha com valores controversos para vereadores

Midiamax Publicado em 25/02/2015, às 14h25

None
img_8287.jpg

Prefeitura enviou planilha com valores controversos para vereadores

Os vereadores aguardam até esta quinta-feira (26) o envio de informações requeridas por vereadores ao secretário de Infraestrutura de Campo Grande, Valtemir de Brito, sobre a operação tapa-buraco em Campo Grande. Os documentos são necessários para que os vereadores decidam se abrem ou não a CPI dos Buracos.

O presidente da Comissão de Obras da Câmara, vereador Carlão (PSB), explica que tudo dependerá das respostas da prefeitura. “Se não prestar contas, as assinaturas serão naturais. Vereadores já descobriram que os valores da primeira planilha enviada não batem. Tem que comprovar estes dados com documentos. Não tem como esperar mais”, declarou.

A vereadora Thais Helena (PT) explica que o secretário enviou uma primeira planilha no dia 19 de fevereiro e já constam erros nos valores informados. Segundo a vereadora, a disparidade no valor dos contratos e na soma total informada pela prefeitura.

“Não tem como mandar uma planilha que os valores não batem. Se tem dificuldade até para fazer uma planilha, imagina se vão ter condições de fazer uma fiscalização ou um aditivo. O que foi repassado não dá nem pra levar em consideração”, justificou.

A vereadora acredita que se a prefeitura não mandar os documentos de maneira correta e com transparência será difícil não abrir uma CPI. “Precisamos dos documentos. Se não enviarem teremos que abrir a CPI para por fim a tudo isso. Na semana passada foi divulgado outro vídeo, mostrando que as irregularidades continuam. É preciso coibir isso”, concluiu.

Até o momento oito vereadores assinaram a favor da CPI, faltando apenas duas para abrirem a CPI. São favoráveis a abertura os vereadores: Thais Helena, Paulo Pedra (PDT), Luiza Ribeiro (PPS), Alex do PT, Cazuza (PP), Ayrton do PT, Chiquinho Telles (PSD) e José Chadid (sem partido).

Jornal Midiamax