Política

Deputado aliado diz que Governo Federal está ‘inerte’ quanto à questão indígena

Parlamentar ocupou tribuna para tecer críticas

Jessica Benitez Publicado em 02/07/2015, às 21h49

None
cardozo.jpg

Parlamentar ocupou tribuna para tecer críticas

Mesmo teoricamente fazendo parte da base aliada da presidente da República, Dilma Rousseff (PT), o deputado federal Carlos Marun (PMDB) utilizou tribuna na Câmara dos Deputados para criticar a demora do Governo Federal em resolver conflito indígena em Mato Grosso do Sul. O tema veio à tona novamente após novas ocupações de terras na fronteira com o Paraguai. 

Na última segunda-feira (29) a bancada estadual e integrantes da federal se reuniram em Campo Grande para debater o assunto e traçar medidas para pressionar a União em indenizar os produtores que tinha propriedade das fazendas. Os parlamentares querem se reunir com o ministro da Justiça, Eduardo Cardozo, que, inclusive, foi convocado pelo senador Waldemir Moka (PMDB) a ir ao Senado.

“A inércia do governo federal diante do agravamento dos conflitos entre indígenas e fazendeiros está armando uma bomba relógio que pode explodir a qualquer hora”, advertiu Marun. O peemedebista convocou o Congresso Nacional para fazer alguma coisa “porque senão daqui a pouco pode correr sangue, já que as pessoas estão vendo que não podem contar com o poder público para proteger seus direitos”.

Esta semana o Ministério da Justiça alegou que não se esqueceu do conflito e “continuará com o processo de diálogo, visando à solução dos conflitos de forma mediada entre os interessados”, mas sem cravar datas ou medidas mais concretas.

O atual governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), esteve com o ministro no mês passado e chegou a cobrá-lo sobre novo posicionamento do Governo Federal quanto à demarcação das fazendas ocupadas. À época ele fiou de respaldar o tucano dentro de 30 dias. Até agora não houve respaldo.

Jornal Midiamax