Política

Depois de moção, deputado endossa coro contra homenagem a Bolsonaro

‘É um absurdo dar uma medalha para um fascista machista’

Midiamax Publicado em 14/04/2015, às 17h33

None
jair-bolsonaro_0.jpg

‘É um absurdo dar uma medalha para um fascista machista’

Depois de grupo de gays e bi entregar moção de repúdio à condecoração do deputado federal Jair Bolsonaro (PP) pela Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, foi a vez do deputado estadual Pedro Kemp (PT) endossar o coro contra a homenagem do Governo do Estado.

“É um absurdo conceder uma medalha para um fascista machista como ele”, declarou Kemp durante sessão na Assembleia Legislativa nesta terça-feira (14). O petista citou diversas das frases polêmicas e preconceituosas de Bolsonaro para reforçar sua indignação.

“As pessoas têm liberdade de se expressar, mas desde que não ofendam ninguém. O Bolsonaro é homofóbico e defende a pena de morte”, destacou.

Uma das diversas declarações homofóbicas de Bolsonaro custou caro. O deputado federal foi condenado nesta terça e terá de pagar ao FDDD (Fundo de Defesa dos Direitos Difusos), criado pelo Ministério da Justiça, uma indenização de R$ 150 mil por declarações feitas no programa CQC, da TV Bandeirantes, exibido em março de 2011.

O capitão da reserva do exército brasileiro disse que nunca passou pela sua cabeça ter um filho gay porque seus filhos tiveram uma “boa educação”, com um pai presente. “Então, não corro esse risco”. A decisão é da juíza Luciana Santos Teixeira, da 6ª Vara Cível do Fórum de Madureira, no Rio. A sentença ainda cabe recurso.

A moção

A Rede Apolo (Rede de Homens Gays e Bissexuais de Mato Grosso do Sul) protocolou nesta segunda-feira (13), na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do SUl, moção de repúdio à condecoração de Bolsonaro.

Na moção, a Rede frisa que “é de conhecimento notório que Bolsonaro defende pautas extremamente discriminatórias contras as mulheres, negros, indígenas, LGBT, crianças e adolescentes, vítimas de tortura, além do que defende a volta da ditadura militar e práticas de torturas como legítimas”.

A Rede ainda apela que a decisão seja revogada. “A medalha Tiradentes é uma honraria que deve ser concedida a pessoas que realmente prestam serviços relevantes à população sul-mato-grossense e que não violem os Direitos Humanos”.

A homenagem

A PM/MS concederá a medalha Tiradentes, uma homenagem a pessoas que prestam serviços relevantes à população e a Polícia Militar do Estado, a Bolsonaro e mais 30 pessoas públicas. A lista foi divulgada nesta sexta-feira (10) no Diário Oficial do Estado.

A medalha Tiradentes tem por objetivo condecorar cidadãos. De acordo com o Decreto N. 1.542, de 25 de fevereiro de 1982, artigo 1º, ela é “destinada a galardoar civis e militares que tenham prestado assinalados serviços a Corporação, e policiais militares que, no seio da classe, se destaquem pelo seu valor pessoal de modo a contribuir decisivamente para o aperfeiçoamento e projeção da Instituição no âmbito nacional ou estadual”.

A assessoria da Polícia Militar foi questionada pela equipe de reportagem sobre qual o serviço relevante prestado pelo deputado a Mato Grosso do Sul e informou que Bolsonaro é um ‘grande defensor das políciais militares do Brasil e de seus integrantes’.

A entidade revelou ainda que o parlamentar serviu o Exército Brasileiro no município de Nioaque, como capitão, entre os anos 1979-1981, durante o período de ditadura militar.

Jornal Midiamax