Política

Cotado para o TCE, deputado já começa a pedir votos para colegas

Tucano diz que não foi convidado oficialmente

Midiamax Publicado em 11/06/2015, às 10h23

None
tiao_prado_pontaporainforma.jpg

Tucano diz que não foi convidado oficialmente

O deputado Flávio Kayatt (PSDB) garante que não foi convidado oficialmente pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB) para assumir a vaga a ser deixada pelo conselheiro José Ricardo Cabral, que deve se aposentar daqui alguns dias. Porém, já vai começar a pedir ajuda dos colegas deputados a partir desta quinta-feira (11).

O deputado Antônio Carlos Arroyo (PR) tinha sido indicado por André Puccinelli (PMDB), mas ontem o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul cancelou o trâmite e agora caberá a Reinaldo Azambuja a indicação.

Kayatt explica que conversou com o governador apenas uma vez, em uma roda com amigos. Na ocasião Azambuja brincou que ele poderia ser o indicado. Porém, embora garanta que não há convite oficial, ele já vai iniciar conversa com deputados para falar da possibilidade de ser o indicado.

“Hoje já vou começar a conversar com alguns deputados para ver se existe a possibilidade de me acompanhar se eu for o indicado. Não adianta só eu ter a vontade. Mais do que eu, existe companheiros da Assembleia que vão ter que apoiar meu nome. Além do convite do governador”, justificou. .

Ontem (10), por oito votos a sete, desembargadores do TJMS anularam a aposentadoria de José Ricardo Cabral, o que fechou as portas para Arroyo no TCE. Os desembargadores acataram a tese dos conselheiros, de que o processo de aposentadoria de Cabral teria sido acelerado para forçar indicação de Arroyo ao cargo. Caso Kayatt seja indicado, Herculano Borges (SD) assume a vaga de deputado e Juliana Zorzo (PSC) a de vereadora.

Jornal Midiamax