Política

Bancada de MS acompanha Cunha e duvida de consenso para reforma

Reforma política deve entrar em vigor em 2022

Evelin Cáceres Publicado em 24/04/2015, às 12h37

None
geraldo_resende_gerson_walber_1.jpg

Reforma política deve entrar em vigor em 2022

Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) está em Campo Grande nesta sexta-feira (24) para divulgar o projeto da Câmara Itinerante, que tem o objetivo de levar a Câmara para que os parlamentares ouçam as necessidades locais. Apesar das polêmicas envolvendo a reforma política, a bancada federal de Mato Grosso do Sul acredita que todo o projeto entre em vigor apenas em 2022.

Recebido com protestos em vários Estados por onde passou, os deputados  dizem acreditar que Cunha saberá conduzir a reforma com cautela. Para o deputado Carlos Marun (PMDB), a diferença do líder da Câmara é que ele agiliza as votações.

“Antes, só se votavam projetos quando havia briga. Às vezes, os projetos ficavam parados por 10, 15 anos até. Agora vamos votar e decidir pela maioria. Antes, o governo fazia a pauta e hoje quem faz é o parlamento”, defendeu.

O deputado Dagoberto Nogueira (PDT), assim como Marun, diz acreditar que somente pontos de consenso serão votados até o fim de maio. “O fim das coligações e da reeleição deve ser votado agora. Mas a questão do voto distrital deve ficar só para depois do recesso”.

O deputado Geraldo Resende (PMDB) diz acreditar que somente o fim da reeleição é consenso e que, por isso, a reforma política só deverá entrar em vigor em 2022.

Consenso

Para os deputados, o fim da reeleição para cargos do Poder Executivo e ao estabelecimento de mandato de cinco anos para todos os cargos é consenso e deve ser aprovado antes do recesso parlamentar, no meio do ano.

Outro ponto é o voto distrital. Com ele, somente seriam eleitos os políticos com maioria absoluta de votos, o que acabaria com as coligações e, consequentemente, com os partidos nanicos. Nesta semana, a Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou o voto distrital para vereadores. A votação segue para a Câmara. 

Jornal Midiamax