Política

Assembleia abre CPI do Genocídio para investigar 15 anos de assassinatos

Oito deputados assinaram pela abertura

Evelin Cáceres Publicado em 07/10/2015, às 15h37

None
pedro_kemp.jpg

Oito deputados assinaram pela abertura

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul terá também a CPI do Genocídio, além da CPI do Cimi, para investigar 15 anos de mortes de índios no Estado. A Comissão foi aberta nesta quarta-feira (7) e conta com a assinatura dos deputados Pedro Kemp, Amarildo Cruz, Cabo Almi, João Grandão (PT), Beto Pereira (PDT), Lídio Lopes (PEN), Maurício Picarelli (PMDB) e Zé Teixeira (DEM).

O objetivo da CPI é investigar as ações e omissões do Estado nos casos de violência praticados contra os povos indígenas de 2000 a 2015. Para oficializar a abertura, só falta a publicação no Diário Oficial. Na tribuna, o proponente Pedro Kemp rebateu aos pronunciamentos de que não haveria mortes em massa contra os índios em MS.

Ele citou Marçal de Souza, Semião Vilhalva, Marcos Verón, Oziel Gabriel e tantos outros assassinados. “Também pode ser chamado de genocídio quando as comunidades ficam abandonadas, crianças morrendo de desnutrição, na miséria extrema”.

O deputado cobrou ainda ação para que punições possam acontecer. “Se o país não faz nada, o mundo tem que saber o que está acontecendo com os índios e essa situação que se arrasta há anos. Ninguém é punido ou preso e os índios são tratados como indigentes. O Estado é cruel com os pobres. Omisso e devagar”. 

Jornal Midiamax