Política

Aquário: Azambuja garante que pagamento de empresa está em dia

Situação está sendo investigada pelo MPE 

Midiamax Publicado em 16/06/2015, às 19h52

None
azambuja_1.jpg

Situação está sendo investigada pelo MPE 

O governador do Estado Reinaldo Azambuja (PSDB), ao contrário do que afirmou o deputado Amarildo Cruz (PT), disse que o pagamento da empresa responsável por cuidar dos peixes do Aquário do Pantanal está em dia. A declaração foi feita pelo chefe do executivo na tarde desta terça-feira (16) durante a entrega dos kits escolares para os alunos da Escola Estadual Joaquim Murtinho.

Azambuja declarou que a informação que o Governo estaria em atraso com a empresa não existe e que tudo está sendo pago. “Isso não existe, nós estamos pagando o que é devido. Só que não aceitamos a continuidade daquilo que vinha espoliando o Estado. Ele (Amarildo) é um grade defensor dessa empresa”.

Ainda de acordo com o chefe do Executivo estadual, a empresa era responsável por cuidar dos peixes do Aquário enquanto a obra não fica pronta e o serviço deixou a desejar com a morte de milhares de exemplares. “Recebeu R$ 5 milhões do governo anterior para fazer o cuidado dos peixes e sabemos que muitos deles faleceram, não existe mais os peixes. Foi uma falta de planejamento”.

O governador destacou que os peixes deveriam ficar em quarentena, ou seja, 40 dias de adaptação para que fossem levados aos tanques do Aquário do Pantanal, mas que já estão tempo superior ao período.

“Traz os peixes para quarentena, ou seja, 40 dias. Se o Aquário não estava pronto como que traz o peixe da natureza para um ambiente fechado e sobre risco? Eu acho que aí sim cabe uma responsabilidade e é o que nós estamos apurando para responsabilizar as pessoas que trouxeram esses peixes para criar esse problema”.

Azambuja voltou a analisar que a demora para a entrega do Aquário gera um custo maior para que os peixes sejam mantidos em tanques provisórios e que essa questão também deve ser analisada pelo MPE (Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul). “Esse custo é um custo a mais para a população do Mato Grosso do Sul”, concluiu. 

Jornal Midiamax