Política

Após promessa, Campo Grande tem nova chance de construir UPA Veterinária

Projeto de lei autorizativo foi aprovado na Câmara Municipal

Jessica Benitez Publicado em 02/07/2015, às 22h13

None
_mg_2227_copy.jpg

Projeto de lei autorizativo foi aprovado na Câmara Municipal

Campo Grande terá mais uma chance de ter pronto atendimento gratuito para animais domésticos. Hoje pela manhã os vereadores aprovaram em segunda discussão projeto de lei, de autoria de Chiquinho Telles (PSD), que autoriza o Executivo a construir uma UPA/VET (Unidade de Pronto atendimento Veterinário). 

No entanto, por ser autorizativo, o texto não obriga o prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP), a tirá-lo do papel. Sendo assim, os bichinhos podem ficar novamente sem pronto socorro como ocorreu quando o então chefe do Executivo, Nelson Trad Filho (PMDB), chegou a lançar plano arquitetônico de uma UPA veterinária há exatos três anos, em julho de 2012.

À época o peemedebista apresentou a planta do prédio que iria atender cachorros e gatos. A promessa foi feita logo após a polêmica em torno do cão que sofreu maus-tratos e foi batizado como Scooby, ele foi amarrada a uma motocicleta e arrastado do Bairro Aero Rancho até o CCZ. 

Teoricamente o espaço teria 70 metros quadrados e seria construído próximo ao estacionamento do Centro de Zoonoses. Nelsinho dizia que a UPA serviria de exemplo para todo o País.  “Esse projeto é feito desde o ano passado e foi concluído no dia 3 de julho (2012). Já passou da hora de a cidade ter um local de atendimento público para os animais. O projeto vai ser modelo para o país todo”, disse na ocasião.

A unidade deveria oferecer serviços como consultas, orientações, medicação de urgência e até mesmo contar com uma sala de soroterapia. Os recursos seriam provenientes de convênios, que estavam em estudo na época. De lá para cá, não foram mais divulgadas informações sobre o projeto.

Atualmente a população campo-grandense não tem para onde levar animais que necessitam de atendimento gratuito de urgência e emergência. A solução mais procurada é buscar auxílio de ONGs (Organizações Não Governamentais) para financiar os tratamentos.

Jornal Midiamax