Política

Após ano de crise, Olarte inicia 2015 com vereadores falando em independência

Vereadores querem ação de Olarte para não sair da base na Câmara

Midiamax Publicado em 01/01/2015, às 16h16

None
img-20150101-wa0049.jpg

Vereadores querem ação de Olarte para não sair da base na Câmara

O prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP), deve ter muito trabalho já neste início de 2015. Após ano de crise em 2014, ele precisará de muito trabalho para reverter a delicada situação com aliados. Isso porque os vereadores da chamada “base de sustentação”, que teoricamente defendem o prefeito, não estão muito satisfeitos com os rumos da administração e já falam em independência no Poder Legislativo.

O líder do PMDB na Câmara, vereador Vanderlei Cabeludo (PMDB), entende que tudo depende do prefeito. Com sete vereadores na Câmara, incluindo o presidente, Mário César (PMDB), e o líder do prefeito, Edil Albuquerque (PMDB), peemedebistas querem ação de Olarte.

“Vai depender se realmente ele vai colocar as coisas para andar. Se tiver resultado positivo e não ficar só na conversa. Estamos atentos para isso. Estamos considerando as dificuldades dele no primeiro ano, mas estamos esperando que as coisas venham a acontecer”, opinou.

O vereador Carlão (PSB) é outro integrante da base que espera mudança do prefeito. Ele critica o fato de Olarte viver ameaçando tirar o titular do Planurb, Marcos Cristaldo, da pasta. “Tem que cumprir o compromisso que tem com o partido na íntegra para ter compromisso com ele em 2016. O partido está e não está. Não pode terminar o recesso em fevereiro e continuar só empurrando com a barriga”, criticou.

O vereador Chiquinho Telles (PSD) também está descontente. Na avaliação do vereador, a independência seria um ótimo caminho. “Não vi um passado bom, presente eu não sei e não vejo um grande futuro. Não via no Bernal (Alcides Bernal-PP) e não vejo neste também. Não vejo nada para acrescentar em 2015”, avaliou.

O vereador também faz duras críticas ao comportamento de Olarte, que teria mudado no decorrer do mandato. “Tomara que eu não esteja errado, mas a vaidade tomou conta do governo do Olarte. Não sei se subiu para cabeça, mas isso atrapalha muito. Eu sou. Eu aconteço. Se conversar com ele um pouco, sente esta vaidade. Não adianta depois pedir desculpas”, concluiu.

O vereador Flávio César (PTdoB) entende que o objetivo maior de toda a Câmara é trabalhar para o bem da cidade, independente de ser ou não da base. Porém, destaca o fato do PTdoB não ocupar nenhum espaço significativo na gestão de Olarte.

“Nós temos buscado fazer nossa parte, contribuindo naquilo que compete a nós no sentido de ajudar a fazer com que as coisas aconteçam e a cidade possa ter ganho no aspecto da boa gestão. Em 2015, obviamente, como todo início de ano, vamos reunir partidariamente e analisar todo o cenário, para uma avaliação da postura do partido em relação a isso tudo. Não posso falar nem que sim e nem que não sobre independência. É uma decisão partidária e não depende só de uma pessoa”, finalizou.

Jornal Midiamax