Política

Olarte promete liberar verba federal dos hospitais que Bernal manteve retida

A pedido do prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte, o secretário de Saúde Jamal Salem anunciou em coletiva na manhã desta quarta-feira (19) que deve liberar todos os repasses oriundos do Ministério da Saúde para os hospitais conveniados com o SUS serão repassados o mais rápido possível. Eles estiveram retidos durante a administração do prefeito […]

Arquivo Publicado em 19/03/2014, às 14h15

None

A pedido do prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte, o secretário de Saúde Jamal Salem anunciou em coletiva na manhã desta quarta-feira (19) que deve liberar todos os repasses oriundos do Ministério da Saúde para os hospitais conveniados com o SUS serão repassados o mais rápido possível. Eles estiveram retidos durante a administração do prefeito cassado Alcides Bernal.


Como exemplo, Jamal citou o repasse de verbas para a maternidade Cândido Mariano, no ano passado, que chegou a demorar sete meses para cair na conta do hospital.  Isso acontece porque o dinheiro oriundo de repasses federais cai primeiro no Fundo Municipal de Saúde, que precisa repassar para as instituições.


“Foi preciso intervenção do Ministério Público para que a unidade de saúde recebesse um dinheiro que era dele”, destacou Jamal. A Santa Casa de Campo Grande também aguarda recursos do Ministério da Saúde e do Governo do Estado.


Segundo levantamento da Câmara de Campo Grande, mais de R$ 42 milhões estão disponíveis nos caixas da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau). “O dinheiro que vem é para investir nos hospitais. É uma área que não tem como ficar com dinheiro parado em caixa e tanta coisa para fazer. A saúde da Capital está no cemitério e precisa ir urgentemente para a UTI, no mínimo”, comparou o secretário.


Sindicâncias


Os gestores de hospitais com atendimento público e privado estiveram na reunião. Presidentes do Hospital Universitário (HU), Hospital São Julião, Maternidade Cândido Mariano, Hospital do Câncer Alfredo Abraão e Santa Casa de Campo Grande relataram problemas em conversar durante a gestão de Bernal.


“A cada pedido éramos ameaçados com auditorias e sindicâncias. Nas reuniões, as respostas eram sempre evasivas e nunca tinha um resultado. A gestão municipal precisa entender que do outro lado estão vidas. Os recursos vêm para melhorar o atendimento à população e tem que ser repassados”, reclamou Wilson Teslenco, gestor da Santa Casa.


Alfeu Duarte, diretor na Maternidade, disse que há espaço físico para o aumento de UTIs neonatais para o SUS. “São realizados 450 partos por mês. Em abril teremos mais 30 leitos para o SUS, aumentando os partos para mais 250 por mês. Tem muita gestante ganhando o bebê nas ambulâncias e muitos recém-nascidos precisando de UTI neonatal. Temos espaço, faltou boa vontade da administração”, destacou.


Somente para a Santa Casa, são R$ 3.280.000,00 em recursos do Ministério da Saúde em caixa na prefeitura aguardando renovação de convênio para ser usado na construção do Hospital do Trauma. O Governo do Estado também já liberou duas parcelas de R$ 750 mil para um empréstimo feito pela unidade, que estão depositadas na prefeitura e devem ser liberadas nos próximos dias.

Jornal Midiamax