A ex-secretária da Mulher e advogada de Alcides Bernal, Jacqueline Hildebrand Romero, assinou o pedido de suspensão de segurança endereçado ao presidente do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), desembargador Joenildo de Souza Chaves, na manhã desta sexta-feira (16).

A defesa do prefeito cassado pede que a decisão do desembargador Vladimir Abreu da Silva seja revogada e que Bernal volte ao cargo de prefeito de Campo Grande, como determinou o juiz da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, David de Oliveira Gomes Filho.

Segundo a assessoria do TJMS, o presidente está em Dois Irmãos do Buriti, distante 84 quilômetros de Campo Grande, inaugurando a sede do Pajus.

Após a decisão do juiz David Filho, Bernal foi à Prefeitura da Capital, ocupou o gabinete da administração municipal e fez até uma reunião. Ex-secretários e aliados também foram retomar seus lugares nas secretarias, mesmo que a ordem judicial permitisse apenas a volta do prefeito cassado.

Nove horas depois, o TJMS cassou a decisão do juiz e reconduziu o prefeito Gilmar Olarte à prefeitura de Campo Grande. Os aliados de Bernal aguardam a decisão do presidente do Tribunal ainda para hoje.

Argumentação

Nas 12 folhas do recurso, a advogada Jacqueline Hildebrand argumenta que a decisão causaria mais “atos temerários praticados pelo vice-prefeito restariam contaminados de nulidade e mais sofrimento será causado à população”.

A ação popular representada pelos cinco vereadores teria tido a assinatura de cerca de 2 mil pessoas, em um universo de mais de 200 mil que votaram em 2012 pela eleição do então prefeito Alcides Bernal.

A defesa pede a suspensão da liminar do desembargador do TJMS, a intimação do desembargador, Ministério Público e do presidente da Câmara de Campo Grande.