Política

André tinha mais de 30 indicados com salário de R$ 8 mil sem posto de direção

DGA-1 tinha como prioridade pessoas mais próximas ao governador

Midiamax Publicado em 31/12/2014, às 13h11

None
andre_pucinelli_2_-_minamar.jpg

DGA-1 tinha como prioridade pessoas mais próximas ao governador

A lista de exonerações do governador André Puccinelli (PMDB) revelou uma relação de indicados que ganharam altos salários, mas sem exercer função de destaque, como comando de uma secretaria ou fundação. A relação inclui mais de 30 indicados para DGA-1 ou DGA-Especial.

Os servidores que tinham DGA-1 recebiam salário que ultrapassavam a casa de R$ 8,1 mil. Já o servidor com DGA-Especial recebia mais de R$ 10 mil. Estes cargos eram reservados por Puccinelli geralmente a ex-prefeitos ou aliados de primeira hora.

A lista de aliados reservava cargo ao amigo pessoal de Puccinelli, Celso Ianaze; ex-prefeito Daltro Fiuza; ex-prefeito Eraldo Jorge; indicado do DEM, primo de Luiz Henrique Mandetta, Hélio Mandetta Sobrinho;  e Sebastião Nunes da Silva, ex-diretor da Assomasul.

A relação de comissionados inclui: Afredo Luiz Martins; Andrea Dourado; Alvaro Scriptore; Didimo Pereira Cabral; José Manuel Marques Candia; Longuinho Téo; Marcos Benedetti; Norton Riffel Camatte; Sérgio Roberto Castilho Vieira; Lucas Rael Alves Acosta; Marcos da Silva; Pedro Antonio Pegolo; Rafaela Aparecida Jardim, José Lázaro Pereira de Oliveira, Luiz Serafim Dias , José Alberto Furlan, Hélio Yudi Komiyama , Francisco Libório; Álvaro Cardoso e Rubens Grandini.  

A lista segue com Clecí Teresinha Schleder; Vanessa Teresinha de Souza Lopes Oliveira; Marisa Corrêa Machado; Nelson Tsushima; Alexandre Augusto e Ana Lúcia da Silva. Outros comissionados exerciam função na Câmara Técnica do TJMS: José Roberto Amin; José Roberto de Almeida e Silva e Osnei Okumoto .

Jornal Midiamax