Política

Aliados de Bernal passarão por ‘prova de fogo’ para provar fidelidade ao prefeito

Os aliados do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), passarão por “prova de fogo”, na próxima quinta-feira (6) ao votarem o veto total do Executivo ao projeto de lei dos vereadores Paulo Siufi (PMDB) e Carlão (PSB), ambos integram a base. O projeto dispõe sobre a jornada de trabalho dos profissionais de Serviço Social […]

Arquivo Publicado em 04/03/2014, às 11h18

None
406715516.jpg

Os aliados do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), passarão por “prova de fogo”, na próxima quinta-feira (6) ao votarem o veto total do Executivo ao projeto de lei dos vereadores Paulo Siufi (PMDB) e Carlão (PSB), ambos integram a base.

O projeto dispõe sobre a jornada de trabalho dos profissionais de Serviço Social na Capital. Segundo o texto, “fica fixada em seis horas diárias ou 30 horas semanais a jornada de trabalho dos Profissionais da Assistência Social atuantes no município de Campo Grande”.

Apesar da redução da jornada de trabalho, a remuneração não seria alterada. “Aos profissionais com contrato de trabalho em vigor na data de publicação desta lei é garantida a adequação da jornada de trabalho, vedada a redução do salário”, diz o texto.

Conforme Siufi, algumas atividades exigem mais do profissional e a carga horária excessiva compromete a atividade exercida. “Sua produtividade fica comprometida, e o trabalhador exposto a doenças profissionais e acidentes de trabalho. Em consequência, os usuários dos seus serviços também correm riscos maiores”, afirma no projeto.

Para o autor do projeto, os/as assistentes sociais constituem, sem dúvida, uma categoria cujo trabalho leva rapidamente à fadiga física, mental e emocional. “São profissionais que atuam junto a pessoas que passam pelos mais diversos problemas, seja em hospitais, presídios, clínicas, centros de reabilitação ou em outras entidades destinadas ao acolhimento e à (re)inserção da pessoa na sociedade”, completou.

Jornal Midiamax