Política

Puccinelli autoriza apoio a Delcídio até “fechamento de questão”

Questionado sobre a possibilidade de apoio do vereador Paulo Siufi (PMDB) ao senador e pré-candidato Delcídio do Amaral (PT) para as eleições de 2014, o governador André Puccinelli (PMDB) afirmou que os filiados têm direito de expressar o que bem entenderem até o partido “fechar questão” sobre o tema. Puccinelli deu a entrevista após agenda […]

Arquivo Publicado em 04/12/2013, às 14h07

None
228811847.jpg

Questionado sobre a possibilidade de apoio do vereador Paulo Siufi (PMDB) ao senador e pré-candidato Delcídio do Amaral (PT) para as eleições de 2014, o governador André Puccinelli (PMDB) afirmou que os filiados têm direito de expressar o que bem entenderem até o partido “fechar questão” sobre o tema. Puccinelli deu a entrevista após agenda pública, nesta quarta-feira (4), no Crea-MS (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia), em Campo Grande.

Após explicar que o PMDB ainda não “fechou questão” sobre conduta dos filiados com relação aos candidatos ao governo em 2014, o chefe do Executivo ressaltou, que quando for chamado para uma assembleia para debater o assunto, irá opinar a favor da fidelidade partidária. “Sabiá vota em sabiá, pintassilgo em pintassilgo e cotovia em cotovia”, comparou.

Puccinelli disse ainda que se for voto vencido dará “a mão à palmatória”, mas que se a tese dele vencer, “valerá a consciência de cada um para que saiba que a porta da rua é a serventia da casa”. O PMDB tem como pré-candidato ao cargo o ex-prefeito e secretário Nelsinho Trad.

A polêmica surgiu após o vereador Paulo Siufi (PMDB) admitir apoiar a candidatura de Delcídio ao governo. Questionado sobre possível saia justa com o PMDB, Siufi foi direto. “Quem sabe não está sinalizando uma chegada do PMDB com PT, como é a nível nacional. Eu, como muitos, já fiz campanha para Delcídio senador. Eu tenho coragem de falar”, confidenciou.

Siufi ainda declarou que cada um toma seu rumo e que a orientação partidária é importante desde que haja motivação e via dupla. “Não vejo problema nenhum em apoiar o Delcídio, assim como teve muita gente do PMDB que não apoiou o Giroto (PR). Isso é normal. A política é dinâmica”, analisou.

Jornal Midiamax