Política

Para deputado, Chaves só salva mandato de Bernal se prefeito der autonomia de verdade

O deputado estadual Paulo Correa (PR) declarou nesta quarta-feira (6) que acredita que o novo secretário de governo, Pedro Chaves (PSC) salve o mandato do prefeito Alcides Bernal (PP). Entretanto, Correa condicionou uma articulação positiva a liberdade e autonomia do novo agente político. O prefeito está em plano processo de cassação, com a câmara dando […]

Arquivo Publicado em 06/11/2013, às 17h44

None
1442327399.jpg

O deputado estadual Paulo Correa (PR) declarou nesta quarta-feira (6) que acredita que o novo secretário de governo, Pedro Chaves (PSC) salve o mandato do prefeito Alcides Bernal (PP). Entretanto, Correa condicionou uma articulação positiva a liberdade e autonomia do novo agente político. O prefeito está em plano processo de cassação, com a câmara dando andamento a uma comissão processante, além de pedido de afastamento do cargo.

Para Correa, Pedro Chaves é um grande empresário e tem tudo para atrair partidos e ajudar a tocar a prefeitura, melhorando serviços, trocando o que precisa ser trocado. Contudo, na avaliação do deputado, Chaves só conseguirá sair vitorioso nessa empreitada, se tiver autonomia. Isso porque, nos bastidores, corre a informação de que nenhum dos secretários pode autorizar nada sem passar por Bernal na gestão municipal.

“Se o Bernal der autonomia total para ele (Chaves), acredito que salve o mandato e a prefeitura de Campo Grande que está paralisada”, analisou.

A nomeação do novo secretário municipal de governo foi publicada no Diogrande de terça-feira (5) e a missão de Chaves é atrair aliados para que Bernal não corra o risco de ter seu mandato cassado pela Câmara de vereadores, bem como ser o interlocutor do prefeito.

Um acordo com o PT vinha sendo desenhado para cumprir esse papel, tendo Athayde Nery (PPS) cotado para assumir o cargo. Contudo, o prefeito teria se antecipado e feito o convite a Pedro Chaves que aceitou a vaga, sem consultar seu partido, como outros secretários fizeram, dando o ponto de partida para a crise instalada no Paço.

Jornal Midiamax