Política

Bernal ignora ameaça de vereadores e CPI pode acionar polícia para buscar documentos

Prefeito criticou os parlamentares e disse que comissão não pode se transformar em uma criadora de problemas ou agência de cobrança

Arquivo Publicado em 04/07/2013, às 10h37

None
1917252335.jpg

Prefeito criticou os parlamentares e disse que comissão não pode se transformar em uma criadora de problemas ou agência de cobrança

Nesta quinta-feira (4), às 14 horas, vence o prazo dado pelos vereadores para que o prefeito Alcides Bernal (PP) entregue os documentos solicitados pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar porque a prefeitura não pagou fornecedores, a chamada “CPI da Inadimplência” ou “do Calote”, como alguns preferem chamar. Os vereadores ameaçam o uso de força policial se o prefeito não cumprir a determinação. Porém, Bernal afirma que já entregou todos os documentos solicitados pela CPI.

“Todos os documentos foram entregues. Estão repetindo pedidos somente para desviar o foco da CPI da Saúde”, acusou o prefeito, ressaltando que não entregou outros documentos, além das 10 caixas já entregues. Bernal nega que esteja retendo documentos e diz que os vereadores precisam especificar que documentos precisam.

“Tem que especificar qual é. Não pode a comissão se transformar em uma criadora de problema ou em uma agência de cobrança. Tudo o que foi pedido foi entregue. Não posso enviar todos os documentos da prefeitura para a comissão”, justificou.

Bernal também afirma que já pagou todos os contratos e que não há atrasos, exceto nos casos como o da CG Solurb,detentora do serviço de coleta de lixo, que ainda está judicializado. “Tem que defender o povo e não X ou Y como alguns fazem. Se tiver, é uma ou outra que não está pago, mas por questão burocrática”, detalhou.

O prefeito aproveitou para criticar alguns vereadores da comissão e, principalmente, o relator, vereador Elizeu Dionízio (PSL). “É um vereador novo e muito açodado, beirando o limite da irresponsabilidade. Chego a dizer que alguns agem com infantilidade, para não dizer má fé. Exigem documentos, quando já têm em mãos e ainda falam em polícia? Com estas atitudes demonstram que não têm o propósito de ajudar Campo Grande”, concluiu.

Na segunda-feira (1º) o relator da CPI, vereador Elizeu Dionízio, declarou que a prefeitura enviou documentos incompletos, dificultando o trabalho. Revoltado, ele chegou a pedir para CPI convocar a polícia para a busca e apreensão.


Porém, após acordo, os vereadores decidiram dar mais tempo para o prefeito. Caso os documentos não sejam entregues, a comissão vai analisar se convoca os secretários para darem explicações ou se mandam a polícia recolher os documentos.

Jornal Midiamax