Política

Alvo de protestos, Puccinelli alega atraso e se esquiva de perguntas antes de reunião com Dilma

Um dos mais criticados por manifestantes que invadiram as ruas do centro de Campo Grande na quinta (20), sexta (21) e sábado (22), o governador André Puccinelli (PMDB) partiu para Brasília ao meio-dia desta segunda-feira (24) para se encontrar com a presidente da República, Dilma Rousseff (PT). Apressando, o governador se esquivou de perguntas e […]

Arquivo Publicado em 24/06/2013, às 16h05

None
2093905479.jpg

Um dos mais criticados por manifestantes que invadiram as ruas do centro de Campo Grande na quinta (20), sexta (21) e sábado (22), o governador André Puccinelli (PMDB) partiu para Brasília ao meio-dia desta segunda-feira (24) para se encontrar com a presidente da República, Dilma Rousseff (PT).

Apressando, o governador se esquivou de perguntas e disse apenas que foi convocado pela presidente Dilma Rousseff (PT). Puccinelli viajou com apenas um segurança em um avião Bandeirante, com capacidade para 18 pessoas. Ele alegou atraso e não falou sobre os protestos.

Nos últimos dias, ele cancelou todos eventos públicos. O mais importante foi a inauguração da pavimentação do Jardim Aero Rancho, que teve investimento de R$ 10 milhões. O Governo tinha até contratado um show para festejar a obra, mas a adiou por tempo indeterminado.

No sábado até vizinhos do mesmo prédio do governador demonstraram apoio aos manifestantes. No apartamento eles exibiam cartazes de apoio e acendiam e apagavam as luzes em sinal de solidariedade.

Na rua, manifestantes chegaram a se sentar em frente ao prédio e gritaram: “O Puccinelli, cadê você, eu vim aqui só pra te ver”, pediram para ele descer, chamaram de “arregão” e não se intimidaram nem com a presença da polícia, ironizando os militares com o grito: “André, cadê você? A polícia veio aqui para te prender”.

Jornal Midiamax