Política

Vereadores debatem alianças partidárias e clima esquenta na Câmara

Durante sessão na Câmara Municipal, os vereadores Alex do PT e Athayde Nery (PPS) discutiram sobre alianças partidárias e oportunismo eleitoreiro. Coerência foi a tese defendida pelos dois e união da oposição foi confirmada apenas num eventual segundo turno em Campo Grande. Athayde, que é vice do candidato a prefeito da Capital, Reinaldo Azambuja (PSDB), […]

Arquivo Publicado em 19/09/2012, às 15h42

None
899871047.jpg

Durante sessão na Câmara Municipal, os vereadores Alex do PT e Athayde Nery (PPS) discutiram sobre alianças partidárias e oportunismo eleitoreiro. Coerência foi a tese defendida pelos dois e união da oposição foi confirmada apenas num eventual segundo turno em Campo Grande.


Athayde, que é vice do candidato a prefeito da Capital, Reinaldo Azambuja (PSDB), falou que o fortalecimento do PMDB em Campo Grande ocorreu devido às alianças partidárias. De acordo com ele, esse foi um dos motivos da pulverização de candidatos nas eleições deste ano.


“Fizemos a nossa parte no governo peemedebista. Cumprimos o nosso papel e, por isso, disputamos a sucessão de Nelsinho Trad (PMDB)”, afirmou. No aparte, Alex criticou a atitude do PSDB e do PPS de terem fortalecido o PMDB e agora estarem criticando o governo.


“Isso pra mim é um discurso oportunista. É um novo que sempre participou do velho”, atacou Alex. Segundo ele, suas críticas são verídicas e oposição mesmo é o PT que “sempre atacou o governo que tá aí e sempre colocou o dedo na ferida”.


Sem entender a manifestação do colega, Athayde acredita que a atitude do Alex é desesperadora por conta do crescimento do PSDB nas pesquisas. “Acredito que ele está desesperado com Vander nas pesquisas”, destacou. Vander Loubet (PT) é candidato do PT à Prefeitura de Campo Grande.


“Somos a oposição, mas no primeiro turno é cada um por si”, pontuou Athayde. Ele afirmou que a união da oposição contra o candidato governista Edson Giroto (PMDB) poderá acontecer somente num eventual segundo turno. “O segundo turno é outra história”, finalizou.

Jornal Midiamax