Política

Siufi reafirma não pedir votos a Dagoberto e garante não ser o único do PMDB

O presidente da Câmara Municipal, vereador Paulo Siufi (PMDB), reforçou não ter como pedir votos ao presidente regional do PDT, Dagoberto Nogueira, cotado para ser vice do deputado federal Edson Giroto (PMDB) na disputa pela sucessão da Prefeitura de Campo Grande. Ele informou ainda que a indicação do pedetista incomoda muita gente do PMDB. “Só […]

Arquivo Publicado em 14/06/2012, às 12h35

None
876086768.jpg

O presidente da Câmara Municipal, vereador Paulo Siufi (PMDB), reforçou não ter como pedir votos ao presidente regional do PDT, Dagoberto Nogueira, cotado para ser vice do deputado federal Edson Giroto (PMDB) na disputa pela sucessão da Prefeitura de Campo Grande. Ele informou ainda que a indicação do pedetista incomoda muita gente do PMDB. “Só que eles não têm coragem de falar”, frisou.


Siufi insistiu ser incoerente pedir votos para uma pessoa que desferiu duras críticas ao governador André Puccinelli, principal liderança do PMDB no Estado. “As pessoas não entendem essa mudança de comportamento, por isso, fica feio fazer campanha para ele (Dagoberto)”, explicou. “Depois dos ataques dele, somos como água e óleo”, emendou.


Indagado sobre a reação dos correligionários por conta de sua resistência em aderir à campanha da chapa majoritária, Siufi disse ser um “soldado do partido”, mas reforçou que não tem como “engolir” a incoerência. “Aceitei numa boa a escolha do Giroto para ser o candidato a prefeito do PMDB, fui parceiro, agora, não consigo esquecer as críticas, coisas pesadas foram ditas e as pessoas têm me parabenizado por essa posição”, destacou.


O vereador, que disputou com Giroto a indicação para ser candidato à sucessão do prefeito Nelsinho Trad (PMDB), contou que vem sendo pressionado a rever seu comportamento. “O Giroto me ligou para conversar comigo, mas não tem jeito, nesta campanha, vou pedir votos só para conquistar minha reeleição”, reafirmou.


As críticas que Siufi se refere foram desferidas nas eleições de 2010. No pleito, Dagoberto buscou vaga de senador na chapa do ex-governador Zeca do PT em disputa direta com Puccinelli. Na época, o pedetista atacou o modo de administrar da principal liderança do PMDB e até atirou críticas pessoais ao atual governador. Vídeos com os ataques estão circulando nas mídias sociais.

Jornal Midiamax