Política

Ribeiro diz que não mendiga cargos e afirma que não aceitará proposta de Puccinelli

O vereador Clemêncio Ribeiro (PMDB) afirmou nesta terça-feira (4), durante sessão da Câmara de Campo Grande, que não vai aceitar cargo do governador do Estado, André Puccinelli (PMDB). Recentemente, Puccinelli informou que pretende ajudar os três vereadores do PMDB que não conseguiram se reeleger: Dr. Loester, Ribeiro e Magali Picarelli. “Não preciso disso. Pode dar […]

Arquivo Publicado em 04/12/2012, às 17h53

None
123772520.jpg

O vereador Clemêncio Ribeiro (PMDB) afirmou nesta terça-feira (4), durante sessão da Câmara de Campo Grande, que não vai aceitar cargo do governador do Estado, André Puccinelli (PMDB). Recentemente, Puccinelli informou que pretende ajudar os três vereadores do PMDB que não conseguiram se reeleger: Dr. Loester, Ribeiro e Magali Picarelli.

“Não preciso disso. Pode dar o cargo para outra pessoa. Eu tenho para viver. Com R$ 6 mil eu consigo sustentar minha família”, declarou Ribeiro, garantindo que não aceitará a proposta de Puccinelli e que aguarda uma conversa para tratar de questão política.

“Não preciso ficar mendigando cargo. Perdi a eleição, mas não minha moral e minha história de vida”, declarou o vereador, assegurando que sai da política mais pobre do que entrou, já que o salário ganho na Câmara era investido na sociedade.

O vereador alega que foi para o PMDB a convite de Puccinelli e espera uma conversa com ele para decidir o futuro. Após a eleição Ribeiro chegou a declarar que deixará o PMDB no final do ano. Ele pretende se filiar a outra sigla para tentar chegar a Assembleia Legislativa em 2014.

Puccinelli revelou que pretende “olhar” pelos três vereadores do PMDB que não conseguiram se reeleger. O governador já declarou que há vagas no comando do Procon, da Escola de Governo, Fundação do Trabalho e Agepan. Os cargos foram deixados por dirigentes que disputaram a eleição para vereador em Campo Grande.

A vereadora Magali Picarelli afirma que ainda não foi convidada, mas pretende aceitar, caso seja oferecida uma função compatível com que ela goste e que tenha condição de fazer. Ela espera que a conversa com Puccinelli ocorra ainda em 2012. O vereador Dr. Loester também afirma que não foi convidado e, por isso, não pode dizer que sim e nem que não vai aceitar.

Jornal Midiamax